Precificação e Tecnologia: a relação e os impactos no seu negócio

Por muito tempo, o preço de produtos e serviços era definido por gestores e empresários apenas considerando os custos de produção e a margem de lucro. Porém, hoje, há um entendimento de que o controle de precificação deve ir além dos fatores básicos.

Não há mais como ignorar o cenário de alta tecnologia que vivemos atualmente. Com ferramentas, aplicativos e softwares ditando e/ou ajudando a ditar o nosso cotidiano, alguns conceitos do mundo corporativo já se mostram ultrapassados.

A precificação e a tecnologia andam lado a lado atualmente. E como um dos setores mais impactados pela revolução 4.0, a logística deve abraçar o quanto antes as novas ideias. Para melhor entendimento, preparamos este artigo discorrendo mais sobre esse assunto.

Boa leitura!

A precificação na Era 4.0

No passado, independentemente do setor, a precificação de uma empresa era definida considerando fatores tradicionais como custo de aquisição de matérias-primas, produção e margem de lucro. Qualquer estudo além desses pontos era raso e raro.

Mas a transformação digital trouxe uma nova visão sobre o assunto. Hoje, ignorar o fato de que os clientes têm acesso a informações privilegiadas e estão mais conscientes sobre os produtos e serviços que consomem é uma cartilha para o insucesso.

Atualmente qualquer cliente consegue comparar facilmente os preços e entender quais marcas estão trabalhando dentro de uma realidade aceitável. Não há mais razão para seguir apenas o argumento de “oferta e procura”. O poder de decisão do cliente é muito maior.

As empresas logísticas precisam entender e se adaptar a essa nova realidade. Se antes a precificação não era um ponto de preocupação dentro do setor, a revolução 4.0 chegou para mudar isso.

O preço de uma operação logística precisa ser um fator competitivo, fazendo parte de uma grande estratégia que objetiva criar uma experiência personalizada e otimizada para os clientes.

O preço dinâmico

O preço dinâmico não é um conceito novo, mas é um modelo completamente aplicável à realidade atual do mercado logístico.

Desenvolvida nos anos 80 pela American Airlines, a metodologia vai além dos fatores padrões para definir a precificação de serviços. Com o preço dinâmico, a empresa analisa pontos externos que influenciam diretamente na lucratividade do negócio, por exemplo:

  • mudanças de comportamento do cliente;
  • preferências do consumidor;
  • experiência diferenciada.

Com a tecnologia sendo um suporte contínuo ao cliente, esse conceito é uma ótima alternativa para que uma empresa se mantenha altamente competitiva, mas ainda respeitando fatores como lucratividade, gastos internos, materiais, entre outros.

Como aplicar uma precificação moderna e competitiva na sua empresa?

Se a tecnologia transformou a forma como os clientes analisam os preços de serviços das empresas do mercado, ela também pode ser a solução para que os gestores trabalhem uma precificação mais moderna em seus negócios. Mas ela não é o único fator. Confira algumas dicas.

Análise massiva de dados

A tecnologia já oferece diversas ferramentas para a captura e análise de dados. Com isso, as empresas conseguem estudar as preferências, tendências do mercado, concorrência e outros fatores que impactam em uma precificação moderna.

Com a análise massiva de dados é possível, dentro da sua realidade, impulsionar a rentabilidade e a competitividade do negócio, tornando cada serviço logístico único e altamente diferenciado para os clientes.

Inteligência Artificial

A Inteligência Artificial é outra arma utilizada para melhorar vários processos de um negócio, inclusive a precificação.

A IA de uma Machine Learning é um ótimo exemplo. Com ela, uma empresa consegue analisar, por exemplo, quais os seus serviços logísticos mais requisitados dentro de um determinado período e quais precisam de mudanças e melhorias pontuais.

Isso permite que a alteração de preços seja realizada com maior efetividade, considerando as variáveis padrões e os fatores mais abrangentes.

Parceiros inovadores

Diferentemente de outros setores, a logística já trabalha com pontos que vão além do convencional. Aqui, é preciso considerar questões como frete, tipos de veículos, condições de estradas etc.

Por isso, não basta apenas desenvolver uma gestão inovadora dentro da empresa, é preciso contar com parceiros que abracem e apliquem os conceitos da transformação digital em seus empreendimentos.

Fornecedores e transportadoras devem estar na mesma sintonia que a empresa contratante, do contrário, a definição de preços mais modernos pode não trazer os bons resultados esperados.

Não há dúvidas que a tecnologia conseguiu mudar muitos conceitos e práticas enraizadas na cultura corporativa. Por isso, o novo modelo de precificação precisa ser considerado e seguido por toda empresa deseja se manter forte e expandir os negócios em um futuro próximo. Mas, não se esqueça: contar com uma transportadora que já desenvolve uma gestão inovadora é imperativo para garantir um trabalho diferenciado e que esteja à altura das expectativas do seu cliente.

Gostou do artigo? Fico com alguma dúvida sobre o assunto? Deixe a sua opinião nos comentários.

Tecnologia x Setor de Compras: Entenda a transformação

A transformação digital é uma realidade em diferentes áreas do mundo corporativo, e o setor de Compras não é uma exceção. Por mais que alguns gestores acreditem que antigos modelos de trabalho ainda funcionem, o fato é que a adoção tecnológica é o caminho natural.

Esse novo cenário abriu um leque de oportunidades para as empresas. Hoje, por exemplo, é possível levar inovação e melhorias para produtos e serviços de maneira prática e sem precisar desembolsar quantias financeiras fora da realidade.

Quer entender melhor o paralelo entre a tecnologia e o setor de compras, e conhecer algumas soluções já utilizadas por grandes empresas? Continue lendo e confira o nosso artigo completo.

Boa leitura!

Entendendo a transformação tecnológica no setor de compras

Por mais “saudosista” que você seja, é impossível não reconhecer que tanto o mercado quanto a sociedade como um todo mudaram em razão do crescimento tecnológico. Relacionamentos, decisões e estilos de vida: tudo foi impactado com a transformação digital.

No mundo corporativo, uma boa forma de apontar esse cenário é a implementação do conceito 4.0 – que faz referência direta à Indústria 4.0 – em diferentes segmentos. No setor de compras, por exemplo, temos o Compras 4.0. Na logística, temos a Logística 4.0.

Com isso, ferramentas tecnológicas que eram tidas como diferenciais, passaram a ser fatores corriqueiros e essenciais para a execução de tarefas e processos.

No departamento de Compras, essa transformação se deu pela necessidade do setor em atender a nova demanda criada justamente pela expansão tecnológica na sociedade. Se antes papéis, canetas, blocos de anotações e telefonemas eram suficientes para manter um bom padrão de trabalho, hoje a situação mudou por completo.

Além do fator “corresponder à demanda de clientes”, a adoção enfática da tecnologia no setor de compras possibilitou a conquista de benefícios que não eram possíveis com o uso de ferramentas obsoletas, por exemplo:

  • vantagem competitiva;
  • redução de custos;
  • gestão unificada.

Exemplos de tecnologias utilizadas no setor de compras

Embora essa revolução no setor de compras ainda esteja no início, hoje, grandes empresas já utilizam com sucesso diferentes ferramentas em suas rotinas de trabalho.

Conheça alguns exemplos de tecnologias adotadas no departamento de compras.

E-commerces B2B

O e-commerce em si é dos maiores responsáveis pelo aumento da demanda no setor logístico. A possibilidade de comprar produtos de diversos tipos e tamanho no conforto de casa transformou consumidores ocasionais em clientes assíduos.

Mas as plataformas digitais foram além e, atualmente, já não são exclusividades do comércio B2C (negociação direta com o consumidor final). Setores de compras das instituições estão se beneficiando com o modelo B2B (empresa para empresa).

Com isso, os gestores conseguem negociar diretamente com fabricantes sem precisa passar necessariamente por um vendedor – um profissional a mais na negociação tende a resultar em aumento de preços.

Big Data

O Big Data é uma das ferramentas que melhor representa essa nova era do setor de compras. Basicamente, trata-se de um software capaz de armazenar uma quantidade enorme de informações.

Graças a essa capacidade, a ferramenta permite que as empresas resolvam dificuldades que não era possível com um banco de dados tradicional. Os especialistas definem o funcionamento do Big Data baseado nos três “Vs”:

  • Volume (acumula dados na marca dos terabytes ou petabytes);
  • Variedade (dados diversificados em origem e formato);
  • Velocidade (processados e analisados rapidamente).

O setor de Compras precisa gerar dados diariamente para manter o seu fluxo de trabalho em constante otimização. Com as possibilidades do Big Data, por exemplo, as empresas conseguem comparar históricos de compras e realizar melhores negociações. Além disso, a solução é capaz de:

  • identificar oportunidades segmentando os fornecedores;
  • facilitar a análise de informações em tempo real;
  • aumentar o foco em questões centrais;
  • ajudar na tomada de decisões.

Softwares ERP

O ERP (Enterprise Resource Planning) é mais um exemplo de ferramenta que revolucionou o mundo corporativo. O software de gestão é a maior referência quando se fala de organização e integração de processos e setores no dia a dia de uma empresa.

A melhor parte é que, em geral, apesar de abrangente, o ERP pode ser desenvolvido especificamente para um setor, por exemplo, o de compras.

Um bom exemplo do trabalho de um ERP na área de Compras é a possibilidade de verificar o status dos pagamentos de pedidos, prazo de entrega de mercadoria e relatório financeiros de maneira rápida e centralizada.

Enfim, não há dúvidas que o trabalho do setor de compras é essencial para o aumento de lucros de uma empresa. E o fortalecimento tecnológico possibilitou que velhos hábitos fossem extintos e uma rotina de alta performance tomasse conta  de vez do segmento. Não há como voltar atrás, é preciso abraçar a nova realidade e entregar serviços que sejam capazes de atender a nova demanda do mercado.

Para entender mais sobre o conceito 4.0, confira o nosso artigo especial sobre a Logística 4.0.

Blockchain na Logística: Entenda essa realidade

Basicamente, o Blockchain na logística é o uso da tecnologia, que foi essencial para o sucesso das moedas virtuais, no dia a dia de uma empresa do setor. Afinal, como a maioria das ferramentas tecnológicas de alto padrão, o Blockchain se mostrou eficiente para diferentes áreas.

Na logística, especificamente, a tecnologia está sendo essencial para o fortalecimento da segurança das informações, bem como para o aumento da qualidade operacional. Com o objetivo de obter vantagem competitiva, muitas marcas já abraçaram de vez a solução.

Quer entender melhor a tecnologia Blockchain e como ela pode ser vantajosa para a sua empresa logística? Então, continue lendo confira este artigo completo sobre o assunto.

Boa leitura!

O que é o Blockchain?

Como mencionado na introdução, o blockchain é uma tecnologia que esteve, por muito tempo, ligado ao Bitcoin (moeda virtual).

Trata-se de um livro de registro público e virtual que guarda todo tipo de informação. O grande detalhe é que o Blockchain é uma tecnologia de registro imutável, ou seja, é impossível mudar o dado adicionado – por isso a solução é considerada uma das mais seguranças do mundo em relação ao armazenamento de informações.

Uma vez inseridos e validados, os dados são submetidos a uma sequência de criptografias impossíveis de serem quebradas. O processo de validação do Bitcoin é tão complexo que, ao se mostrado como um desenho, assemelha-se a blocos de correntes – por isso a ferramenta recebe esse nome.

Como funciona o Blockchain na logística?

Apesar de ter nascido como uma ferramenta de apoio no setor financeiro, o Blockchain já foi utilizado por diversos segmentos. Por ser um serviço de domínio público, ele permite transações sem a necessidade de regulamentações, e isso é bastante vantajoso.

Graças à possibilidade de gravação de dados por computadores privados e compartilhados, a tecnologia se mostrou de grande valor para o setor logístico, permitindo mais agilidade e segurança nas operações.

Vamos a um exemplo do funcionamento do Blockchain na logística.

Imagine uma operação de entrega em que a coleta da mercadoria seja feita na região Sul e a entrega na região Centro-Oeste. Além disso, para qualificar o serviço e diminuir os gastos, o embarcador contrata uma transportadora especializada. Nesse ponto, já teríamos três agentes diferentes: o embarcador, a transportadora e o recebedor.

Para que a operação inicie, muitas informações precisam ser repassadas e acordadas, por exemplo:

  • características da carga;
  • tipo de transporte;
  • valor de taxas.

É necessário que cada participante esteja ciente das informações e de suas responsabilidades individuais, principalmente para situações de problemas ou imprevistos – como roubo ou avaria de mercadorias.

Para evitar impasses e assegurar tranquilidade, todos os dados são validados no sistema do Blockchain. Assim, independentemente do que aconteça, as informações originais estarão gravadas no livro virtual.

Além de tornar tudo mais prático e seguro em uma operação logística, a ferramenta diminui a burocracia da operação, deixando os processos mais dinâmicos.

Quais os benefícios do Blockchain?

Agora que você já sabe o que é o Blockchain e como ele pode ser aplicado na logística, confira outros benefícios possibilitados pela implementação da ferramenta.

Agilidade nos processos

Com o Blockchain a burocracia diminui consideravelmente. Ao implementar a ferramenta, todos os participantes da operação não precisam utilizar diferentes canais de comunicação para verificar alguma informação importante, basta acessar um único sistema.

Isso é essencial para agilizar processos internos e externos, tendo em vista que todos os dados inseridos são seguros e válidos.

Redução de custos

Já sabemos que a ferramenta é como um livro de registros imutável. Com isso, não há como reescrever o já foi combinado e validado entre as partes, sendo necessário gerar novas informações a partir daquele ponto.

Essa alta segurança possibilita que muitas validações em bancos e cartórios sejam desnecessárias, agilizando não só os processos como também tornando menos custosos. É uma ótima maneira de conter os gastos sem diminuir a segurança dos acordos.

Maior transparência nas operações

Com todas as características do Blockchain citadas até o momento, fica fácil entender como a sua implantação traz maior transparência para as operações logísticas.

Os prazos, os valores e outras informações válidas são centralizadas em uma única ferramenta, permitindo que todos tenham acesso ao mesmo tempo. Isso é importante até mesmo para que o cliente se mantenha atualizado sobre quaisquer imprevistos durante as operações.

Quais os principais impactos para as empresas?

Em um cenário onde conceitos como a Logística 4.0 estão sendo aplicados, o uso do Blockchain não chega a ser uma surpresa.

Porém, o impacto da utilização da tecnologia vai além da questão da segurança de dados. Hoje, muitas empresas já aplicam a ferramenta com o intuito de otimizar seus processos e qualificar os serviços oferecidos aos clientes.

Com a contenção de custos sendo uma necessidade da logística atual, as novas tecnologias são capazes de atingir esse objetivo sem comprometer o nível de execução operacional.

Os benefícios que uma ferramenta como um Blockchain pode proporcionar são abrangentes. Para toda empresa que deseja garantir vantagem competitiva pelos próximos anos no mercado, a implementação dessas tecnologias é um passo que precisa ser considerado. Então, não fique para trás e garanta maior qualidade no dia a dia da sua logística.

Para entender ainda mais sobre a transformação digital no setor, que tal conferir o nosso artigo sobre a evolução da logística?