corona virus na logistica

A Importância da Logística na retomada econômica

Se há outra certeza nessa pandemia, além da necessidade do cuidado coletivo, é que após o período mais drástico, o país entrará em uma retomada econômica gradativa. E a logística terá papel essencial nessa nova trajetória.

Sendo um setor que assumiu o protagonismo em várias retomadas ao longo da história, a logística já vem se mostrando fundamental na manutenção da “normalidade” durante a pandemia, garantindo o abastecimento de segmentos importantes como Alimentação e Farmacêutica.

Porém, não há dúvidas que muita coisa vai mudar daqui para frente. E, empresas e transportadoras logísticas terão que se mostrar preparadas para corresponder ao aumento da demanda na retomada econômica.

Mas e você, quer entender melhor sobre esse cenário a fim de garantir a competitividade da sua marca? Então, continue lendo e confira a nossa postagem sobre o assunto. Boa leitura!

Setor logístico não parou na pandemia

Assim como todo o mundo, a logística sofreu impactos negativos por causa do Coronavírus. Logo no início, algumas operações sofreram atrasos, pois precisaram se adaptar à nova realidade.

Mas, diferentemente com alguns setores, como o comércio físico de roupas e eletrodomésticos, a logística não parou suas atividades nem por segundo. Na verdade, aconteceu justamente o contrário.

Por meio, principalmente do modal rodoviário, aqui no Brasil, o setor logístico se mostrou como um dos principais fios condutores para a manutenção da economia e de outras áreas de suma importância, como alimentícia e farmacêutica.

A relevância dos transportadores foi tão alta durante a crise que o governo brasileiro decidiu enquadrar o transporte de carga com atividade essencial – colocando a categoria no mesmo patamar da saúde, alimentação e segurança.

Para garantir que os caminhoneiros não parassem e não sentissem tanto as dificuldades impostas pela pandemia, várias decisões exclusivas foram tomadas visando o dinamismo diário, por exemplo:

  • Extensão para o RNTRC – Registros Nacionais de Transportadores Rodoviários de Cargas (RNTRC) que venceriam entre 1 março e 30 de junho tiveram uma prorrogação para o dia 31 de julho;
  • Suspensão das balanças de pesagem – fim temporário das balanças de pesagem nas estradas federais;
  • Prorrogação para a emissão do CIOT – prorrogada a emissão do Código Identificador da Operação de Transporte (CIOT) para 31 de julho;
  • Suspensão dos prazos para a regularização da CNH – habilitações vencidas desde 19 de fevereiro são consideradas válidas até uma nova confirmação do Contran;
  • Abertura de restaurantes em beira de estrada – diferentemente dos estabelecimentos que se encontram dentro das cidades, que ficaram proibidos de funcionar normalmente.

Preservação da saúde de motoristas e assistentes e cuidados com a carga

No entanto, mesmo com algumas movimentações por parte do governo, a verdade é que o Covid-19 continua sendo um vírus sem cura definitiva. Nesse sentido, para garantir a segurança dos motoristas, assistentes, clientes e de todas as pessoas envolvidas em uma operação logística, as empresas tiveram e terão que se adaptar.

Se em um passado recente a preocupação com a saúde dos profissionais era “básica”, com a entrega e fiscalização dos EPIs, por exemplo, a pandemia mostrou que isso precisa mudar.

Para cumprir o seu papel na retomada econômica, a logística deve se transformar em termos de cuidados com a saúde. Daqui para frente, somente as empresas e transportadoras que continuarem investindo em ferramentas e treinamentos para a proteção de seus profissionais conseguirão cumprir seus serviços com excelência.

Após a pandemia do Covid-19, os clientes e o mercado em si destacarão as marcas que se mostrarem atentos às novas exigências sanitárias e de saúde. Isso também vale para as cargas, que já não poderão ser manuseadas da mesma maneira após o Coronavírus.

Novas medidas implementadas permanecerão

A história da humanidade nos mostra que até a pior das crises é capaz de deixar um ensinamento para o futuro. E se há um legado que a pandemia do Coronavírus pode deixar para as empresas é a que, quando se trata de inovação: você não pode deixar para depois.

É verdade que a Transformação Digital já estava sendo trabalhada na maior parte das empresas. Porém, quando o cenário era “normal”, muitas organizações logísticas se davam ao luxo de escolher quando adotar a inovação – ou mesmo se iam fazê-lo.

Com as medidas de restrição durante a pandemia, mesmo a logística ficou bastante dependente de inovações tecnológicas para se manter em funcionamento. Soluções para atendimento, criação de rotas, rastreamento etc.

Essa novas medidas, sem dúvida alguma, permearão pelos períodos futuros. E não apenas saídas tecnológicas, como cadastramento e negociações online, mas também os cuidados reforçados com a saúde dos trabalhadores e as medidas sanitárias em relação às cargas – como já citado anteriormente e fundamentais na retomada econômica.

A demanda vai aumentar na reabertura e impulsionará a retomada econômica

A confiança da participação logística na retomada econômica não é à toa. Muitas especialistas do setor apontam que a tendência é de um aumento de demanda assim que o cenário mais grave for superado – como aponta a Revista O Carreteiro.

Há uma ideia de que não será preciso nem mesmo esperar uma reabertura completa dos mercados. Assim que a doença estiver em declínio na maior parte do país, alguns setores, impulsionados pela logística, conseguirão um crescimento considerável, tais como:

  • Frigorificados;
  • Agronegócio;
  • Alimentício.

Mas eles não são os únicos. Segmentos como comércio eletrônico e de eletrodomésticos, bem como, de combustíveis, conseguirão se recuperar gradativamente.

Enfim, o fato é que a logística leva vantagem em uma futura retomada econômica, pois é um setor que não parou em nenhum momento. Principalmente aqui no Brasil, com o próprio governo classificando os profissionais da área como essenciais. Porém, como vimos, nesse “novo mundo” é essencial contar com parceiros que abraçam a inovação e se preocupam de maneira real com a saúde dos seus colaboradores e a proteção das cargas transportadas. Por isso, fique atento ao novo futuro.

Ficou com alguma dúvida sobre a retomada econômica na logística? Deixe o seu comentário.

logística crise do corona virus

Soluções Logísticas em tempos de Covid-19

O Coronavírus afetou o mundo como nunca antes na história, e a maior parte dos setores viu o seu volume de operações diminuir consideravelmente em um tempo muito curto. Para evitar ainda mais prejuízos, as empresas tiveram que se adaptar e desenvolver soluções logísticas que superassem as barreiras impostas pelo Covid-19.

Em razão de a pandemia ter começado na China, um dos maiores parceiros internacionais de muitos países, a logística mundial foi uma das primeiras a sofrer com entraves e suspensão de serviços.

As empresas que entenderam a gravidade da situação previamente e/ou já trabalhavam dentro um sistema de inovação normalmente, saíram na frente e começaram a se adaptar para a nova realidade com mais facilidade.

Mas, quais foram as soluções logísticas tomadas pelas empresas? Como elas estão se adaptando em tempos de Covid-19? Quer entender melhor? Continue lendo e saiba tudo nesta postagem.

Boa leitura!

Alta demanda do e-commerce e as medidas de adaptação logística

Diferente de outros problemas macroambientes relacionados à saúde que surgiram no mundo nos últimos tempos, o Coronavírus não se limitou a uma região ou continente. O novo vírus se tornou uma pandemia e impactou, em proporções diferentes, todas as nações do globo. O Covid-19 se mostrou tão potente que foi capaz de paralisar eventos e operações:

  • Jogos olímpicos;
  • transportes;
  • serviços.

Além disso, em razão do distanciamento social determinado pelos órgãos de saúde, a maior parte dos estabelecimentos tiveram que fechar e a pessoas precisaram iniciar uma quarentena em seus domicílios.

Foi neste cenário, com as lojas físicas fechadas e a recomendação de distanciamento vigorando na maior parte do mundo, que as vendas online dispararam de maneira excepcional. Aqui no Brasil, por exemplo, as vendas remotas crescerem mais de 40% entre os meses de março e abril – segundo a Revista Exame.

O crescimento do e-commerce, automaticamente, impulsionou os serviços logísticos dentro do país. Mas, para atender a alta demanda e ainda respeitar as recomendações sanitárias, as empresas tiveram que se adaptar. Confira alguns exemplos de medidas para essa adaptação.

Embalagens para maior proteção

Como o Coronavírus age em qualquer superfície, a preocupação com a contaminação por meio de objetos aumentou bastante. Para evitar a propagação durante a execução dos serviços, as empresas passaram a investir mais nas embalagens de proteção.

Ao invés da embalagem simples ou convencional, os itens começaram a receber outras camadas a fim de evitar que os colaboradores ou outras pessoas tenham contato direto com a mercadoria até que ela chegue ao cliente.

EPI’s para os motoristas e funcionários

A segurança dos profissionais dentro e fora das empresas também precisou ser reforçada no período de pandemia. Como ainda não há uma vacina contra o vírus, a melhor ação continua sendo evitar a interação social e o contato direto com superfícies.

Por isso, EPIs como máscaras, luvas e até roupas de proteção foram inclusas à cartilha dos motoristas e de outros funcionários. Sem falar no álcool em gel para higienizar as mãos, bem como, as cabines dos veículos.

Quais são as soluções logísticas utilizadas durante a pandemia?

Além das medidas de adaptação para manter os serviços durante a pandemia, várias empresas ao redor do mundo tiveram que criar soluções logísticas para realizar entregas pontuais.

Como em alguns lugares as empresas só poderiam funcionar após rigorosas inspeções e em outros até mesmo o trânsito de veículos ficara proibido, foi preciso inteligência, investimento e criatividade em novas soluções logísticas. Entenda mais.

Dupla checagem higiênica nos produtos e veículos

Uma das soluções logísticas implementadas nesse novo cenário diz respeito à qualidade do serviço, com a dupla checagem higiênica nos itens e nos veículos. Como o risco de contágio é real, as empresas precisaram mostrar que estão fazendo a sua parte.

Dessa forma, antes de saírem para suas viagens, os veículos são vistoriados mais de uma vez, garantindo que todos estão seguindo à risca os protocolos de vigilância sanitária.

Robôs e drones fazendo delivery

Logicamente, a tecnologia também foi utilizada para a criação de soluções logísticas durante o período de pandemia. Nos Estados Unidos, por exemplo, empresas do setor logístico estão utilizando drones para entregar remédios na casa de clientes idosos – que se enquadram nos grupos de risco.

Também há empresas utilizando robôs móveis para realizar delivery de fast food, garantindo a entrega até mesmo em locais com o chamado lockdown – proibição total da circulação de pessoas.

Importância da escolha da transportadora certa

É claro que ninguém estava devidamente preparado para essa pandemia, porém, como dito, as empresas que começaram a agir previamente conseguiram se adaptar rapidamente. Não só isso, as marcas que já trabalhavam com uma gestão inovadora com certeza tiveram menos dificuldades em manter os serviços em alta qualidade nessa nova realidade.

Por isso, mais do que nunca, a escolha pela transportadora certa passou a fazer toda a diferença para o seu negócio. Como apresentado na postagem, várias soluções logísticas precisaram e precisarão ser tomadas para garantir a segurança de funcionários, clientes e produtos. Ao contar com um parceiro que não trabalhe dentro desse padrão, você só está aumentando os riscos para o seu negócio.

Repense a sua cadeia logística e não tenha prejuízo com a escolha de transportadora errada. Planeje em longo prazo: ter que economizar não é justificativa para abdicar da qualidade.

Neste momento tão complexo, a RDR agradece aos seus clientes, embarcadores e parceiros que continuaram acreditando no trabalho da empresa e se mantiveram lado a lado em uma parceria vitoriosa e que continuará a render bons frutos para todos por muitos anos.