Logística de nicho: Saiba como aplicar

O mercado está sendo cada vez mais exigido pelos clientes em relação aos serviços oferecidos. E é justamente para superar expectativas e suprir necessidades específicas que estratégias como a logística de nicho são criadas e desenvolvidas pelas empresas.

Com o intuito de oferecer um serviço mais inteligente e efetivo para os clientes, a logística de nicho preza por processos mais cuidadosos durante toda cadeia de suprimento, sendo um trabalho essencialmente especializado.

Para ajudar você a entender melhor essa estratégia e obter novos resultados, a seguir, explicaremos o que é a logística de nicho, quais os benefícios e como desenvolvê-la na sua empresa. Boa leitura!

O que é a logística de nicho?

Como explicado, existem mercados específicos e clientes com exigências particulares que demandam a aplicação de técnicas e processos especializados durante a execução do serviço logístico.

Quando é necessária a implementação desses conceitos, a empresa passa a trabalhar com a logística de nicho. Ou seja, com cuidados direcionados a atender corretamente as características da carga ou do contratante.

Embora pareça incomum, a verdade é que a logística de nicho é aplicada o tempo todo no mercado. Grandes fabricantes precisam rotineiramente desse tipo de serviço para garantir a máxima qualidade dos seus produtos. Entre os principais exemplos de carga que demandam cuidados especiais, estão:

Como desenvolver a logística de nicho?

Agora que você já sabe o que é a logística de nicho, conheça alguns passos primordiais para implementá-la na sua empresa.

Analise as necessidades de cada mercadoria

Como a logística de nicho é um serviço que atende as especificidades da carga transportada, nada melhor que começar analisando as necessidades dos seus produtos. Por isso, o primeiro passo para implementação deve ser justamente definir quais práticas são necessárias em cada situação.

Você deve analisar cada etapa da cadeia logística e estabelecer o que é preciso adquirir ou melhorar para que o processo atenda a todas as características da sua mercadoria.

Realize as mudanças pontuais

O estudo sobre as características e necessidades logísticas dos seus produtos só terá algum efeito se você estiver disposto a realizar as mudanças pontuais. Com as informações pertinentes em mãos, é preciso iniciar a parte prática da estratégia, melhorando a sua produtividade gradativamente.

Caso contrário, você apenas terá investido tempo e dinheiro em uma pesquisa que perderá valor a cada novo ciclo.

Garanta uma equipe preparada

A logística de nicho só se torna real quando a empresa conta com profissionais diferenciados e preparados para executar os processos no dia a dia. Afinal, são eles que estarão à frente das atividades.

Para isso, o melhor caminho é iniciar a estratégia já na seleção de novos colaboradores, destacando aqueles que apresentam perfis mais compatíveis com o seu planejamento.

Além disso, é preciso investir em treinamento e capacitação para o manuseio de tecnologias, equipamentos, entre outros.

Calcule o ROI de implementação

Por mais benéfica que uma estratégia possa ser, é preciso sempre comparar a realidade financeira da sua empresa com os investimentos necessários para colocá-la em ação.

Como explicado, a logística de nicho demanda grandes mudanças, aplicações financeiras e de mão de obra. Em resumo, não se trata de algo simples e pouco custoso.

Mas isso não significa que você não possa aplicá-la na movimentação dos seus produtos. Ainda o ROI de implantação seja alto, é possível contratar uma transportara terceirizada para desenvolver esse tipo de serviço.

Assim, você garante uma logística de nicho de qualidade e não precisa arcar com todas as intervenções necessárias no seu negócio.

Quais os benefícios da logística de nicho?

Será que a logística de nicho vale a pena mesmo? Quais as vantagens reais para as empresas que aplicam a estratégia? Saiba mais.

Maior efetividade no transporte

A logística de nicho não é conhecida à toa como logística inteligente. Aqui, o gestor precisa estudar as caraterísticas da carga antes de iniciar o processo prático, a fim de garantir o sucesso do serviço.

É esse ponto que torna a logística de nicho tão eficaz. Com maior preparo, você consegue executar e melhorar etapas complexas como carregamento, descarregamento e transporte das mercadorias.

Mais agilidade e menos falhas

Se você está mais bem preparado, tende a cometer um número menor de erros. Nesse sentido, a logística de nicho é um ponto importante para que a sua empresa se torne mais ágil nos serviços executados.

Por se tratar de uma estratégia de excelência, ela exige que os profissionais trabalhem em um novo patamar de qualidade, resultando em atividades mais dinâmicas e eficazes.

Destaque no mercado

Seja por ação própria ou pelo trabalho de uma terceirizada, se a sua marca mantém a qualidade alta mesmo trabalhando com produtos que demandam maior cuidado, ela se torna uma referência no mercado em médio prazo.

Com isso, você ganha vantagem competitiva e credibilidade junto aos clientes – que se sentem mais confiantes e motivados a adquirir os seus produtos.

Não há dúvidas como a logística de nicho pode transformar o seu negócio, tanto internamente quanto externamente. Porém, como indicado, é preciso analisar se o melhor caminho é uma implementação própria ou a contratação de uma parceira especializada. O importante é garantir destaque no mercado e serviços que correspondam às expectativas dos seus clientes.

Gostou do artigo? Que tal agora conhecer 5 ferramentas logísticas que ajudam a otimizar os processos da sua empresa?

Logística Inbound e Outbound: Entenda esses conceitos

Dominar conceitos e práticas sobre a logística Inbound e Outbound é uma forma inteligente de garantir uma cadeia de suprimentos bem trabalhada e que consegue trazer resultados importantes para a sua empresa.

Afinal, muitos gestores cometem o pecado de trabalhar os processos de maneira única, acreditando que assim terão maiores vantagens. Um ledo engano. Nos dias atuais, o conhecimento detalhado sobre as diferentes atividades dentro da logística é o que torna uma marca forte e competitiva.

Para ajudar você a entender melhor esse assunto, a seguir, apresentaremos as definições da logística Inbound e da logística Outbound, além de outros pontos relevantes sobre o assunto. Continue com a gente e confira.

Boa leitura!

O que é a logística Inbound?

A logística Inbound diz respeito às etapas iniciais da cadeia de suprimentos. Ou seja, tudo aquilo que acontece antes de a matéria-prima ou o produto finalizado chegar até a empresa, bem como, as atividades correlacionadas. Exemplos de processos que trabalham dentro da logística Inbound:

  • avaliação e negociação com fornecedores;
  • pesquisa de preço pelo setor de compras;
  • transporte do fornecedor até o galpão;
  • análise e recebimento de insumos;
  • estocagem de materiais.

Em outras palavras, é um planejamento que se preocupa com a aquisição e a locomoção dos itens até chegarem ao armazém da empresa, seja para fabricação ou distribuição para o cliente final — é algo semelhante a uma logística interna.

Qual a importância e a vantagem da logística Inbound?

Como explicado, a logística Inbound lida diretamente com a aquisição e movimentação de matéria-prima e/ou produtos finalizados.

Por cobrir etapas iniciais da cadeia logística, ela ganha grande destaque no que tange o capital financeiro da empresa. Afinal, é a partir dessas ações que o negócio começará a concretizar os outros processos. Uma escolha errada aqui pode dificultar o andamento de outras atividades.

As vantagens de estudar e entender o funcionamento da logística Inbound giram em torno exatamente da estabilidade do negócio. Ao controlar as informações e processos nessas etapas iniciais, você consegue:

O que é a logística Outbound?

Já a logística Outbound trabalha como uma sequência direta da logística Inbound. Basicamente, é a parte que se preocupa em levar o produto criado ou recebido para o cliente final.

O trabalho é tão intenso quanto na logística Inbound, necessitando de ótimos planejamentos para garantir que a mercadoria chegue dentro do prazo aos centros de distribuição, pontos de apoio e consumidores finais. Entre os processos englobados, estão:

  • negociação de vendas dos produtos para comerciantes e parceiros;
  • contratação de empresas de transporte;
  • movimentação e definição de rotas;
  • embalagem e endereçamento;
  • emissão de notas fiscais;
  • rastreamento de cargas;
  • logística reversa.

Apesar de não ser uma exclusividade, o Outbound é onde a empresa se aproxima muito do cliente final. Por esse motivo, a eficácia no planejamento é de suma importância para garantir uma experiência completa e atender as expectativas do usuário.

Qual a importância dos parceiros na logística Inbound e Outbound?

Tanto na logística Inbound quanto na Outbound a contribuição dos parceiros é algo essencial para o sucesso dos planejamentos de uma empresa. É possível afirmar que, sem eles, muitas etapas nem seriam iniciadas.

Na logística Inbound, a relevância dos parceiros se dá por meio dos fornecedores e transportadores. Embora os fornecedores sejam mais presentes aqui — vendendo matéria-prima e produtos finalizados —, as transportadoras também são necessárias para garantir uma aquisição dentro do prazo.

Já no Outbound, a participação de um parceiro especializado em transporte logístico é primordial. É o trabalho dele que definirá se todos os esforços anteriores valeram a pena ou foram em vão. Não só isso, a experiência do cliente está muito ligada ao trabalho do transportador.

De qualquer forma, independentemente do processo dentro da cadeia logística, o relacionamento com essas empresas deve ser sempre saudável e transparente, garantindo que toda jornada aconteça como esperado.

Enfim, entender a diferença entre a logística Inbound e a logística Outbound é imperativo para que a sua empresa não desperdice esforços e nem investimentos em processos que não trarão real valor para o negócio. Somado a isso, é a partir desse conhecimento avançado que você tomará as melhores decisões em relação à contração de fornecedores e transportadoras para a sua empresa.

Gostou do artigo? Que tal entender agora como as novas tecnologias podem impactar o setor de compras da sua empresa?

Dicas de Negociação para o Setor Logístico

A habilidade de conduzir corretamente uma negociação é importante para empresas de qualquer setor. Porém, em áreas como logísticas, em que os custos fixos costumam ser altos, esse é um diferencial ainda mais relevante.

Seja em uma negociação com clientes, com fornecedores ou parceiros, a capacidade de gerenciar o diálogo e fechar um acordo interessante para ambas a parte possibilita a conquista de um cenário mais equilibrado para o negócio, além de trazer novas oportunidades.

Mas como conduzir uma negociação no setor logístico e tornar a sua empresa cada vez mais competitiva? Para responder essa pergunta, preparamos este artigo para você com algumas dicas e técnicas de negociação. Continue com a gente e confira!

Conheça bem o seu setor de atuação

Um dos segredos para uma negociação de sucesso é ter o domínio sobre o assunto discutido. Ou seja, se a pauta tratada diz respeito ao setor logístico, então você deve ter pleno conhecimento sobre a área.

Essa é uma dica ainda mais importante hoje em dia. Com a internet e o acesso fácil à informação, até mesmo um cliente pode “conhecer” alguns pontos a fim de apresentar durante a negociação.

Não vale a pena arriscar. É claro que, como profissional da área, você domina questões técnicas e corriqueiras. Mas é necessário ir além e pesquisar fatores como:

  • preços trabalhados pela concorrência;
  • realidade do mercado atual;
  • dificuldades logísticas.

Sem esse preparo é possível que você se perca em algum momento, permitindo que a outra parte se imponha na tratativa. E o pior que pode acontecer em uma reunião é você não ter argumentos para contrapor as informações apresentadas.

Defina os seus objetivos para a negociação

Além de uma preparação prévia sobre o seu setor, é imperativo que você só inicie uma negociação tendo os objetivos estabelecidos. Afinal, definir as suas metas no decorrer da conversa não parece a melhor ideia para qualquer estratégia.

É preciso trabalhar em um plano para ser posto em prática, se preparando melhor para encarar diferentes cenários durante a negociação e ainda sim alcançar os objetivos em cada um deles.

Essa preparação prévia também ajuda no controle do diálogo. Se você tem as metas definidas, dificilmente se equivocará nas escolhas.

Mantenha um diálogo bilateral

Em uma negociação é importante que o diálogo flua da melhor maneira possível. O setor logístico é complexo, por isso um fechamento de acordo pode ser difícil. Sendo assim, quanto mais às duas partes conversarem, melhor para todos.

Além disso, um diálogo bilateral demonstra profissionalismo e respeito por parte da sua empresa. Embora seja importante que você mantenha o controle do diálogo, a outra parte precisa ter a certeza de que suas colocações estão sendo ouvidas.

Um clima mais saudável propicia um fechamento de acordo interessante para todos os envolvidos. Em uma negociação com fornecedor, por exemplo, há maior possibilidade de a sua empresa conseguir preços reduzidos e melhores prazos.

Priorize a realização da negociação

Quanto mais você seguir à risca o planejamento, maiores serão as chances de sucesso. Priorizar a negociação é fundamental. Nunca deixe o encontro para a última hora, pois além de uma demonstração de deselegância, isso certamente atrapalhará a concretização dos objetivos.

O primeiro passo é agendar previamente a data e o horário da reunião. Além disso, certifique-se que a outra parte tenha confirmado o agendamento, evitando desencontros em cima da hora.

Com isso feito, é o momento de se preparar obtendo as informações e dados pertinentes a ser debatidos. Não deixe para fazer isso muito próximo a negociação, pois você corre o risco de não ter tempo hábil para estudar tudo o que for necessário.

Por fim, em qualquer situação a sua pontualidade é essencial. Porém, se a negociação for com um cliente, para acertar os detalhes de uma contratação ou mesmo uma resolução de problema, garanta que nada impeça a realização do encontro no horário agendado.

A verdade é que perder a credibilidade com o consumidor em uma época de redes sociais é como caminhar a passos largos para o insucesso. Não corra esse risco.

Mantenha um alinhamento na negociação

Como dito, a área logística não é simples de se gerenciar. Com grande importância dentro das empresas, o setor tem participação efetiva na lucratividade de um negócio.

Nesse sentido, é sempre interessante prezar por negociações por parceiros que estejam alinhados com a visão da sua empresa. Ainda que seja um cliente, você pode educá-lo por meio de informações e conhecimentos válidos.

No que tange os parceiros, como transportadoras e fornecedores, é importante conhecê-los antes de iniciar uma conversa mais aprofundada. Além de poupar o tempo de ambas as partes, esse trabalho ajudará no fechamento de acordos mais eficazes.

Enfim, essas foram as nossas dicas para obter uma negociação de sucesso no setor logístico. É claro que antes de dar qualquer pontapé inicial, você deve conhecer a realidade da sua empresa e a situação do mercado, garantindo que os acordos respeitem a cultura da sua empresa e tragam em um crescimento real.

Gostou das dicas? Ficou com alguma dúvida? Deixe o seu comentário.

Rastreabilidade de produtos: Entenda os benefícios

Sendo uma exigência legal em muitos setores, a rastreabilidade produtos é, sem dúvida, uma maneira inteligente de assegurar qualidade na gestão produtiva de uma empresa. E em um mercado que preza por dinamismo, é um fator se apresenta também como uma grande diferencial competitivo.

O fato é que toda empresa deseja impulsionar a sua produção e melhorar os seus números financeiros. Porém, quanto maior e mais extensa a cadeia produtiva, mais complexo pode ser o controle. Ações como a rastreabilidade entram como suporte para garantir uma expansão segura.

Ainda não sabe o que é e como funciona a rastreabilidade de produtos? Então, continue lendo e entenda tudo sobre essa prática, além dos seus benefícios. Boa leitura!

Rastreabilidade de produtos

A rastreabilidade é a capacidade que uma empresa tem de, basicamente, conhecer o histórico de um produto. Ou seja, por meio de informações antecipadamente registradas, detalhes como localidade e aplicabilidade são facilmente extraídos.

A partir dessa ação, a empresa consegue, por exemplo, identificar rapidamente a localização exata de uma mercadoria dentro do processo produtivo, bem como, o seu local de origem. Tudo isso apenas decifrando os dados gravados nos números de impressão no próprio item.

Funcionamento da rastreabilidade de produtos

O funcionamento da rastreabilidade se dá com a junção da alta tecnologia com a eficiência profissional. A participação de ferramentas inteligentes, como leitores de códigos de barras e etiquetas RFID, é essencial para a gravação das informações nos produtos.

Quanto melhor o equipamento, mais fácil e eficiente será a gravação e a exploração do histórico contido em cada item. Dependendo do produto, isso pode ser feito até mesmo em segundos.

Porém, a rastreabilidade só funcionará e trará os resultados esperados se todos os profissionais envolvidos em cada etapa da cadeia logística fizerem a sua parte.

Registros sobre o tipo de processo produtivo aplicado em cada fase devem ocorrer obrigatoriamente, assim como dados sobre a localização e a data. Com isso, cria-se um histórico completo sobre o produto, facilitando ações de identificação em eventuais problemas.

Se por acaso algum setor deixar de realizar a sua função, todo o trabalho pode ser comprometido.

Importância da rastreabilidade de produtos para a sua empresa

Como dito, a rastreabilidade de produtos chega a ser uma ação obrigatória para alguns setores industriais, sendo colocada como um fator de segurança.

Porém, acima de questões legais, a ação tem grande relevância em termos de qualidade de execução e gestão empresarial. Com a rastreabilidade, a sua empresa passa a trabalhar de maneira organizada e inteligente.

Em outras palavras, é uma prática que possibilita o seu negócio a ser mais bem sucedido em situações de imprevistos ou de grande movimentação, como o recall de produtos. A identificação e recuperação dos itens acontece de maneira rápida e eficaz, aumentando a transparência da iniciativa e agregando valor a sua marca e a mercadoria em si.

Benefícios da estratégia

Como uma prática baseada em tecnologia e inovação, quando bem desenvolvida, a rastreabilidade de produtos consegue trazer diferentes benefícios para uma empresa. Conheça algumas dessas vantagens.

Otimização de processos

Com a facilidade da leitura de códigos, a rastreabilidade consegue agilizar muitos processos dentro da cadeia de suprimentos. O controle de qualidade, por exemplo, é uma etapa que ganha outra dinâmica dentro desse cenário.

A facilidade para realizar um checklist na ficha técnica do produto é muito maior. Além disso, o inspetor consegue gravar comentários e até fotos pertinentes ao histórico do produto, assegurando maior eficácia a sua função.

Agilidade em casos de não conformidade

Quando um produto não atende a critérios macroambientes, como de normas e legislações, ou apresenta falhas em alguma etapa da cadeia produtiva, é preciso realizar um processo de não conformidade, também conhecido na indústria como recall.

Esse tipo de operação causa grande movimentação por parte da empresa a fim de garantir que a eventualidade seja resolvida com os menores danos possíveis.

Com a rastreabilidade de produtos tudo fica mais dinâmico, pois é possível identificar precisamente em qual fase ocorreu a falha, bem como definir a melhor decisão a ser tomada.

Melhor relacionamento com fornecedores

A rastreabilidade pode ser considerada como um grande elo entre os participantes de uma cadeia logística. Isso inclui, além da sua empresa, parceiros como:

Como a gravação do histórico completo do produto depende da eficiência dos profissionais em cada fase, a rastreabilidade se torna um fator estratégico na melhoria da comunicação entre os agentes participantes.

Por isso é importante que a sua empresa preze por parceiros que trabalhem na mesma sintonia de inovação, facilitando o acompanhamento dos itens e assegurando qualidade durante todo o processo.

A rastreabilidade de produtos é uma ação condizente com a realidade atual, na qual o consumidor valoriza ideias e conceitos de inovação dentro das empresas. Todos os negócios que não seguirem uma linha de adaptação à transformação digital tendem a ser superados em um futuro próximo, correndo riscos de continuidade. Por isso, garanta vantagem competitiva a sua marca e trabalhe com ferramentas tecnológicas e ótimos parceiros logísticos.

Gostou do artigo? Que tal agora conhecer 5 ferramentas logísticas que podem facilitar o seu dia a dia?

Gerente de Compras: 5 Métricas que precisam ser vistas

Para um gerente de compras, o uso de métricas pode fazer total diferença na performance do seu trabalho diário. Com essas ferramentas, ele consegue não só medir os rendimentos do seu setor, como também criar novos planos e estratégias a partir de dados seguros e reais.

Porém, não basta escolher métricas aleatórias e esperar que uma mágica aconteça. O departamento de compras agrega muitas responsabilidades e funciona em alta rotatividade. Por isso, as ferramentas de mensuração escolhidas devem condizer com tal realidade.

Para ajudar você nesse processo, preparamos este post com as 5 métricas que todo gerente de compras precisa implementar na sua rotina de trabalho. Continue com a gente e saiba mais. Boa leitura!

1. Saving

A métrica Saving tem como principal objetivo apontar a eficácia do setor de compras. Com ela, o gestor consegue medir o nível de ganho financeiro que o negócio arrecadou em cada aquisição realizada.

Para calculá-la é preciso pegar o orçamento reservado para as compras e subtrair o que, de fato, foi adquirido pela empresa. Com isso, há um número real sobre o que o setor economizou.

Quanto maior a sobra financeira ao final da medição, maior é a eficácia do gerente de compras em adquirir os itens necessários e ainda gerar lucro para a empresa.

2. Gastos indiretos x diretos

Com a métrica de gastos indiretos e diretos, é possível saber o quanto o negócio está sendo impactado financeiramente com a compra dos produtos.

Como o nome pressupõe, os gastos diretos são aqueles vinculados aos itens, como impostos e valores do fornecedor. Já os indiretos são aqueles que não estão incorporados, mas que aumentam os custos da empresa, por exemplo:

  • manutenção dos veículos;
  • água e energia;
  • pessoal.

Os gastos diretos dificilmente podem ser alterados. Porém, os custos indiretos podem ser flexibilizados pela empresa por meio de iniciativas como conscientização no consumo de energia e terceirização do transporte.

3. Evolução do preço

Com a evolução do preço, o gerente compras pode realizar um comparativo confiável entre os valores praticados pelos produtos em diferentes períodos.

Essa é uma ótima maneira não só para entender melhor o mercado, como também para identificar flutuações bruscas nos valores ao longo do tempo. E não só isso, com a métrica é possível visualizar quais são os períodos de sazonalidade em relação a cada item de maneira individual.

A partir daí, o gerente de compras tem informações seguras para definir quais os momentos mais atraentes para realizar investimentos maiores sem comprometer o orçamento da instituição.

4. Nível das entregas

A métrica de Nível de entregas é utilizada especificamente para medir a eficácia do serviço tanto de fornecedores quanto da logística da empresa. Ou seja, se o seu negócio trabalha com processos de coleta e distribuição próprios, a mensuração também pode ser aplicada.

O trabalho de medição aqui é completo, avaliando fatores que impactam diretamente na qualidade do serviço, por exemplo:

  • atrasos nas entregas;
  • reclamações;
  • devoluções,
  • avarias.

Com isso, o gerente de compras consegue comparar os níveis atuais das taxas de devolução e avarias com outros períodos, tendo respaldo para tomar decisões como troca de fornecedores ou contratação de uma parceira logística.

5. ROI do gerente de compras

O Return on Investment (Retorno sobre investimento, em português) não é uma métrica diretamente do setor de compras. No entanto, devido a sua eficácia e abrangência, ela é utilizada por diversas áreas.

Com o ROI, o gerente de compras sabe exatamente o valor obtido com cada investimento. A métrica apresenta a relação entre o que foi gasto pela empresa e o quanto ela recebeu em troca.

Para calculá-lo, basta aplicar uma fórmula simples:

No setor de compras, o ROI consegue definir se o custo-benefício nas aquisições do setor está sendo atraente para a empresa.

Enfim, essas foram as 5 métricas que todo gerente de compras precisa considerar no seu dia a dia. Por trabalhar em um setor altamente estratégico, ele precisa adotar ferramentas que facilitem ao máximo os serviços e, ao mesmo tempo, aumentem as chances de sucesso de cada iniciativa. Nesse sentido, analise as informações apresentadas e defina as melhores métricas para a sua empresa.

Gostou do artigo? Então que tal continuar se aprofundando no assunto e entender mais sobre a relação entre a tecnologia e o Setor de Compras?

Setor de Compras x Dados: Entenda a importância da integração

Embora cumpra um papel de extrema importância, o Setor de Compras nem sempre recebe a devida atenção em termos de investimento. É algo semelhante com que já acontecera à logística, que mesmo sendo crucial, era vista sempre como uma área meramente auxiliar.

Com as “Compras”, alguns proprietários são tão negligentes que nem mesmo trabalham com uma gestão própria para o setor. Esse é um tipo de visão equivocado, que dificulta o aperfeiçoamento do trabalho e atrasa iniciativas importantes, como o uso de dados.

Hoje, as principais líderes de mercado já sabem a importância do compartilhamento de dados para o sucesso de suas atividades, incluindo no Setor de Compras. Por isso saem na frente das demais marcas.

Para explicar melhor o assunto, criamos este artigo discorrendo sobre a influência dos dados na área de Compras.

Boa leitura!

Qual a importância do Setor de Compras para uma empresa?

No passado, o Setor de Compras se limitava muito a aquisição dos produtos que a empresa precisava — dentro do orçamento permitido. O objetivo era, basicamente, garantir que não houvesse ruptura de itens — seja de matéria-prima ou de produtos finalizados.

No entanto, com a evolução do mercado e a intensificação da concorrência, o Setor de Compras teve que cumprir um papel mais estratégico a fim de continuar garantindo a aquisição das mercadorias, mas com um alinhamento maior aos objetivos centrais do negócio.

Com isso, ele se aproximou da logística e ganhou ainda mais importância na tomada de decisões dos gestores.

A relevância do setor passou a ser ainda maior, pois o seu trabalho começou a impactar diretamente não só a produtividade da empresa, como também na competitividade da marca e no relacionamento com o cliente.

Mas, infelizmente, nem todos os gestores e proprietários entendem essa necessidade de crescimento do setor. Alguns ainda acreditam que o “investimento básico” é o suficiente para a equipe de Compras continuar desenvolvendo seus serviços.

No entanto, aqueles que abraçam a constante inovação e trabalham para se adaptar o mais rápido possível à transformação digital, sabem que um dos caminhos para o sucesso é investir em automatização e integração de dados.

Por que manter todos os dados integrados?

A era tecnológica não é uma tendência ou algo futurístico, é uma realidade. Hoje, estamos completamente conectados. O próprio fato de você ler este texto no smartphone ou notebook e poder compartilhá-lo nas redes sociais ou em outros aplicativos já corrobora com essa afirmação.

Não há como fugir disso. E quanto mais tempo estamos conectados e realizando diferentes atividades, mais dados são gerados. E esse é um ponto que toda empresa deve ficar atenta.

Assim como em qualquer outro lugar atualmente, na rotina de uma empresa, são gerados diferentes dados por dia. Por exemplo, a logística negocia prazos de entrega e de coleta, o financeiro analisa o fluxo de caixa e a equipe de estoque confere os números do último inventário.

Embora sejam setores diferentes, todas essas informações acabam se complementando e formando um grande suporte para a tomada de decisões.

É exatamente essa base que faz toda diferença, por exemplo, no trabalho do Setor de Compras. Um banco de dados atualizado com informações relevantes facilita e muito as ações da gestão e ajudam a trazer os resultados positivos tão esperados.

Uma integração de dados tem tudo a ver com o cenário atual, pois, na prática, já fazemos isso diariamente e em situações supérfluas. Empresas profissionais devem ser a primeira a enxergar a importância e a necessidade desse tipo de investimento.

Quais as vantagens da integração de dados para o setor de compras?

Para acabar com qualquer tipo de dúvida, confira algumas vantagens que a integração de dados pode trazer para o Setor de Compras.

Análise do histórico de pedidos

Com a automatização e integração de dados, todas as informações geradas pela empresa ficam armazenadas de maneira segura, gerando um grande histórico. Com isso, o Setor de Compras pode analisá-las antes de realizar novas solicitações.

Nesse cenário, as negociações tendem a ser mais produtivas e dentro de preços mais atraentes para a empresa.

Agilidade nas transações

Se você tem informações atualizadas, então tem tudo. Com o compartilhamento, não há mais necessidade de esperar uma resposta do setor A ou B. Tudo se torna mais dinâmico. Basta puxar a informação requerida e seguir com as transações.

Monitoramento dos pedidos de compra

Em uma empresa que investe na integração de dados, todos os setores envolvidos com a aquisição de mercadorias podem trabalhar com maior tranquilidade.

Informações sobre os pedidos de compra, por exemplo, são compartilhados entre todos, permitindo que haja uma organização individual e coletiva a fim de agilizar atividades futuras.

Enfim, os dados sempre foram algo intrínseco ao Setor de Compras, a tecnologia só trouxe novas oportunidades de uso para as empresas. Mas nenhum bom resultado acontecerá se não houver uma gestão que abrace a inovação e se alie a parceiros logísticos que sigam a mesma linha de ação. Por isso, não fique para trás e garanta a alta competitividade da sua marca.

Gostou do artigo? Que tal agora entender melhor como o Marketing e os dados podem transformar o seu negócio?

Gestão Pipeline: Melhore os seus processos de venda

Podemos dizer que uma gestão Pipeline representa um papel vital na saúde financeira de uma empresa logística. Afinal, com clientes mais preparados e concorrentes mais numerosos, monitorar a jornada comercial do negócio é uma ação que pode fazer grande diferença nos resultados finais de cada mês.

Por isso, para ajudar você que está com dificuldades de impulsionar as vendas da sua área logística ou mesmo deseja melhorar o relacionamento com os seus usuários, a seguir, mostraremos o conceito e a importância da Gestão Pipeline, além de dicas de como implementá-la no seu empreendimento. Continue lendo e confira.

Boa leitura!

O que é gestão Pipeline?

Em tradução livre, Pipeline pode ser entendido como tubulação ou duto. Ainda que de maneira indireta, essa descrição é uma ótima maneira de entendermos o que é uma gestão Pipeline.

No mundo corporativo, Pipeline é a representação das etapas de vendas abertas em uma empresa. A gestão é justamente o acompanhamento detalhado dessas etapas. É um conceito utilizado em negócios de diferentes segmentos, inclusive o logístico.

Em outras palavras, é como um grande mapa de monitoramento em que é possível visualizar diferentes fases das oportunidades de negociações, por exemplo:

  • negociações que acabaram de ser abertas;
  • aquelas que estão em andamento;
  • fase de fechamento.

Para empresas logísticas que desejam aumentar o seu número de contratos, a gestão Pipeline é uma ferramenta mais que necessária, oferecendo uma visão completa sobre a sua área comercial.

Como aplicar a Gestão Pipeline no setor logístico?

Como explicado, o Pipeline é uma metodologia aplicável em diferentes segmentos, sempre respeitando as particularidades de cada área. Mas, como implementá-lo corretamente no setor logístico?

Continue lendo e conheça algumas ótimas dicas.

Acompanhe a jornada do cliente

Como em qualquer área, o cliente logístico também pode sentir dificuldades para fechar a contratação de um serviço. E com o mercado apresentando diversas marcas, as chances de ele migrar para um concorrente são altas.

Por isso é essencial realizar um acompanhamento de toda jornada, garantindo que a finalização da compra aconteça de maneira simples e natural.

Revise e atualize processos

A transformação do mercado é algo que sempre aconteceu ao longo da história. Porém, hoje, graças à revolução tecnológica, isso ocorre de maneira muito mais rápida e dinâmica. Ou seja, um processo bem-sucedido hoje pode não apresentar os mesmos resultados amanhã.

Uma boa gestão Pipeline demanda revisão contínua e atualizações pontuais. Mesmo em setores mais “conservadores” em termos de marketing como a logística, as tendências devem ser analisadas e consideradas.

Trabalhe com informações mais claras e diretas

Uma das dificuldades mais comuns de clientes do setor logístico é entender todas as informações sobre os serviços oferecidos por uma empresa. Isso acontece, pois, muitas vezes, o estilo de comunicação desenvolvida não é pensada para além dos profissionais da área.

Isso é um grande erro, pois muitos clientes são iniciantes no setor e ainda não conseguem captar termos mais técnicos ou específicos – graças à internet e ao e-commerce, muitas pessoas estão buscando serviços logísticos pela primeira vez.

Trabalhar uma comunicação mais simples e direta é essencial para garantir uma melhor jornada para todo tipo de usuário, garantindo que o fechamento das negociações aconteça com a máxima tranquilidade.

Monitore as métricas

O que não é mensurado não pode ser melhorado. Por isso, em uma gestão Pipeline, a aplicação de métricas é uma ação básica. Em geral, há várias métricas que podem ser aplicadas na parte comercial de um negócio, por exemplo:

  • Tempo de atendimento ao cliente;
  • Número de negociações abertas;
  • Negociações fechadas.

Esse monitoramento também é importante para respaldar quaisquer mudanças na jornada do cliente – essencial, como já explicado primeiro tópico. Porém, é interessante um estudo prévio para definir as métricas que mais se adéquam ao perfil do negócio.

Implemente soluções tecnológicas

A tecnologia hoje é a maior aliada das empresas que desejam melhorar o relacionamento com os seus clientes. Por isso, em uma gestão Pipeline, a implementação de ferramentas como CRMs e softwares de integração é importantíssimo.

Com essas ferramentas é possível não só monitorar os usuários, identificando suas dificuldades e expectativas, como também melhorar o trabalho em equipe, internamente e externamente – com parceiros de transporte e de fornecimento, por exemplo.

A aplicação de uma gestão Pipeline não pode ser considerada algo superficial hoje em dia. Gerenciar as etapas que determinam o fechamento de serviços logísticos é de suma importância para a saúde financeira e até mesmo para a continuidade do negócio. Então, analise as informações apresentadas e garanta uma previsão segura dos melhores resultados para a sua empresa.

Gostou de saber como funciona uma Gestão Pipeline? Então que tal agora entender como o Marketing e os dados podem transformar o seu negócio?

Tecnologia x Setor de Compras: Entenda a transformação

A transformação digital é uma realidade em diferentes áreas do mundo corporativo, e o setor de Compras não é uma exceção. Por mais que alguns gestores acreditem que antigos modelos de trabalho ainda funcionem, o fato é que a adoção tecnológica é o caminho natural.

Esse novo cenário abriu um leque de oportunidades para as empresas. Hoje, por exemplo, é possível levar inovação e melhorias para produtos e serviços de maneira prática e sem precisar desembolsar quantias financeiras fora da realidade.

Quer entender melhor o paralelo entre a tecnologia e o setor de compras, e conhecer algumas soluções já utilizadas por grandes empresas? Continue lendo e confira o nosso artigo completo.

Boa leitura!

Entendendo a transformação tecnológica no setor de compras

Por mais “saudosista” que você seja, é impossível não reconhecer que tanto o mercado quanto a sociedade como um todo mudaram em razão do crescimento tecnológico. Relacionamentos, decisões e estilos de vida: tudo foi impactado com a transformação digital.

No mundo corporativo, uma boa forma de apontar esse cenário é a implementação do conceito 4.0 – que faz referência direta à Indústria 4.0 – em diferentes segmentos. No setor de compras, por exemplo, temos o Compras 4.0. Na logística, temos a Logística 4.0.

Com isso, ferramentas tecnológicas que eram tidas como diferenciais, passaram a ser fatores corriqueiros e essenciais para a execução de tarefas e processos.

No departamento de Compras, essa transformação se deu pela necessidade do setor em atender a nova demanda criada justamente pela expansão tecnológica na sociedade. Se antes papéis, canetas, blocos de anotações e telefonemas eram suficientes para manter um bom padrão de trabalho, hoje a situação mudou por completo.

Além do fator “corresponder à demanda de clientes”, a adoção enfática da tecnologia no setor de compras possibilitou a conquista de benefícios que não eram possíveis com o uso de ferramentas obsoletas, por exemplo:

  • vantagem competitiva;
  • redução de custos;
  • gestão unificada.

Exemplos de tecnologias utilizadas no setor de compras

Embora essa revolução no setor de compras ainda esteja no início, hoje, grandes empresas já utilizam com sucesso diferentes ferramentas em suas rotinas de trabalho.

Conheça alguns exemplos de tecnologias adotadas no departamento de compras.

E-commerces B2B

O e-commerce em si é dos maiores responsáveis pelo aumento da demanda no setor logístico. A possibilidade de comprar produtos de diversos tipos e tamanho no conforto de casa transformou consumidores ocasionais em clientes assíduos.

Mas as plataformas digitais foram além e, atualmente, já não são exclusividades do comércio B2C (negociação direta com o consumidor final). Setores de compras das instituições estão se beneficiando com o modelo B2B (empresa para empresa).

Com isso, os gestores conseguem negociar diretamente com fabricantes sem precisa passar necessariamente por um vendedor – um profissional a mais na negociação tende a resultar em aumento de preços.

Big Data

O Big Data é uma das ferramentas que melhor representa essa nova era do setor de compras. Basicamente, trata-se de um software capaz de armazenar uma quantidade enorme de informações.

Graças a essa capacidade, a ferramenta permite que as empresas resolvam dificuldades que não era possível com um banco de dados tradicional. Os especialistas definem o funcionamento do Big Data baseado nos três “Vs”:

  • Volume (acumula dados na marca dos terabytes ou petabytes);
  • Variedade (dados diversificados em origem e formato);
  • Velocidade (processados e analisados rapidamente).

O setor de Compras precisa gerar dados diariamente para manter o seu fluxo de trabalho em constante otimização. Com as possibilidades do Big Data, por exemplo, as empresas conseguem comparar históricos de compras e realizar melhores negociações. Além disso, a solução é capaz de:

  • identificar oportunidades segmentando os fornecedores;
  • facilitar a análise de informações em tempo real;
  • aumentar o foco em questões centrais;
  • ajudar na tomada de decisões.

Softwares ERP

O ERP (Enterprise Resource Planning) é mais um exemplo de ferramenta que revolucionou o mundo corporativo. O software de gestão é a maior referência quando se fala de organização e integração de processos e setores no dia a dia de uma empresa.

A melhor parte é que, em geral, apesar de abrangente, o ERP pode ser desenvolvido especificamente para um setor, por exemplo, o de compras.

Um bom exemplo do trabalho de um ERP na área de Compras é a possibilidade de verificar o status dos pagamentos de pedidos, prazo de entrega de mercadoria e relatório financeiros de maneira rápida e centralizada.

Enfim, não há dúvidas que o trabalho do setor de compras é essencial para o aumento de lucros de uma empresa. E o fortalecimento tecnológico possibilitou que velhos hábitos fossem extintos e uma rotina de alta performance tomasse conta  de vez do segmento. Não há como voltar atrás, é preciso abraçar a nova realidade e entregar serviços que sejam capazes de atender a nova demanda do mercado.

Para entender mais sobre o conceito 4.0, confira o nosso artigo especial sobre a Logística 4.0.

Marketing e Dados: Entenda como eles podem transformar o seu negócio

Com certeza você já ouviu a frase: “A informação tem poder!” É um conceito antigo que aponta para a importância da extração e do estudo de informações. Porém, hoje, com a transformação digital, a relevância dos dados foi elevada ao máximo. E o marketing das empresas precisa estar consciente disso.

A cada dia é gerado um volume incontável de dados na internet, muitos deles de usuários a procura de serviços e produtos específicos. Essa nova realidade trouxe para o marketing empresarial uma responsabilidade ainda maior em conectar as necessidades dos clientes com os objetivos das instituições.

Quer entender melhor a relação entre marketing e dados? Continue lendo o nosso artigo e conheça os pontos mais importantes sobre o assunto.

Boa leitura!

 

Qual a importância da coleta de dados para as empresas?

Como explicado, a extração de informações sempre foi uma prática do mercado. Porém, a internet e a transformação digital elevaram muito o nível de importância desse tipo de atividade.

O acesso massivo à internet transformou o perfil do cliente do século XXI. Hoje, muitos usuários buscam mais por atendimentos, produtos e serviços personalizados do que propriamente preços abaixo da média.

É exatamente a descoberta dessas novas necessidades que torna a coleta de dados uma tarefa tão importante. A partir de um trabalho analítico, as empresas conseguem identificar as carências no mercado e desenvolver produtos e serviços que estejam dentro das expectativas.

Porém, ao mesmo tempo em que há uma abundância de dados, também há um crescimento de marcas. Ou seja, cada minuto que o seu empreendimento deixa de captar e analisar informações, ele abre possibilidades para a concorrência sair na frente na preferência dos clientes.

Qual é o papel do marketing?

Como um setor que lida diretamente com a reação do público, o marketing das empresas tem um papel de protagonista na era digital. Além de identificar as necessidades do público, ele precisa trabalhar em soluções reais para esses fatores.

A análise de dados torna esse processo mais plausível e dentro de uma taxa menor de erros. Todavia, mesmo em empresas que já adotam a transformação digital em suas gestões, é necessária uma organização no trabalho de coleta por parte do departamento de marketing.

A própria quantidade de dados gerados, por vezes, pode ser uma armadilha. Sem definições claras sobre as metas e objetivos, corre-se o risco de atrasos e criação de estratégias pouca efetivas.

Muito mais do que extrair informações, deve-se definir a forma correta da utilização. Em outras palavras, antes de iniciar a coleta e análise dos dados, o marketing precisa ter respostas para perguntas como:

  • Qual é o meu público alvo?
  • O objetivo é atração ou retenção?
  • Qual etapa do funil vamos trabalhar?

Assim, é possível filtrar as informações válidas, descartando ou direcionando aquelas que não se encaixam dentro da estratégia. Ou seja, como protagonista, o marketing deve não ser só eficaz na extração e utilização de dados, mas também um exemplo para os outros setores de uma empresa.

Como implementar uma cultura de coleta de dados?

Para que a coleta seja desenvolvida com maior eficiência, é interessante que a empresa trabalhe com uma cultura direcionada a essa atividade. Mas, como implementar uma cultura de dados? Confira.

Engaje os colaboradores

Sem a participação dos funcionários nenhuma estratégia empresarial consegue surtir o efeito esperado. É fundamental que os líderes de equipe condicionem seus liderados a fornecer dados importantes para os projetos da empresa.

Um trabalho diário de incentivo à autonomia dos profissionais, bem como o desenvolvimento de uma comunicação próxima são importantes para alcançar o engajamento necessário.

Crie uma estratégia clara e simples

Para facilitar o dia a dia dos membros das equipes é interessante definir estratégias claras e de simples entendimento. Estabeleça regras e nomes para que a coleta de dados aconteça de forma organizada e natural.

Conte com as ferramentas certas

Toda tecnologia gera dados, mas nem toda consegue coletar ou armazenar essas informações. Por isso, é imperativo contar com ferramentas que façam a extração, o armazenamento e compartilhamento das informações para o marketing.

Enfim, a análise de dados é algo intrínseco ao marketing das empresas. Porém, hoje, com uma geração de informações cada vez maior, o departamento desempenha um papel diferenciado não só para conectar clientes e empresas, mas também impulsionar a performance de outras áreas, como o setor de compras, atendimento e logística.

Para entender mais sobre a transformação digital na logística, confira o nosso artigo sobre a Logística 4.0.

Pós-venda: Como reter clientes na sua empresa

O pós-venda tem um nome autoexplicativo, sendo, basicamente, a etapa seguinte após a realização da compra. Porém, ainda que o conceito pareça simples, a prática exige planejamento e inteligência por parte das empresas a fim de reter os compradores.

Em geral existem dois tipos de pós-venda: ativo e receptivo. O ativo é quando a empresa entra em contato com o cliente para dar suporte referente ao produto ou serviço adquirido. Já no receptivo são oferecidos canais para que o usuário tire dúvidas, realize compras etc.

Hoje, o pós-venda é uma ferramenta essencial para a fidelização dos clientes, reforçando o conceito de experiência completa. Ficou interessado? Continue lendo e conheça ótimas dicas para aplicar com sucesso a estratégia na sua empresa. Boa leitura!

 

Trabalhe de forma transparente

Para que o pós-venda resulte em fidelidade é preciso que a empresa aja com transparência com os seus clientes. Fazer promessas inviáveis é um tipo de estratégia que pode até funcionar inicialmente, mas que resultará em grandes prejuízos em médio prazo.

Seja transparente com o seu público, não estipule prazos impraticáveis ou confirme descontos nos valores que não se concretizarão. Muito mais que um serviço de qualidade, o cliente deseja a verdade.

Como dito, o pós-venda é a peça final para tornar completa a experiência do usuário com a sua empresa. Ao cometer erros crassos justamente nessa fase, você corre o risco de jogar fora todo esforço investido nas etapas anteriores.

 

Garanta um atendimento diferenciado focando o customer success

O “Customer Sucess” (Sucesso do cliente, em português) é um conceito cada vez mais praticado em empresas de todo mundo, independentemente do setor de atuação.

Trata-se de uma estratégia em que a instituição direciona esforços e investimentos para monitorar o cliente durante toda a sua jornada de compra, mensurando o desempenho dos serviços oferecidos. Logicamente, o pós-venda está incluído nessa jornada.

Aplicar o Customer Sucess é uma forma de garantir um atendimento diferenciado para o seu comprador e entregar uma interação personalizada na etapa de pós-venda.

Com isso, você não só diminui a taxa de reclamações e cancelamentos, como também é capaz de identificar novas oportunidades de melhoria na experiência do usuário.

 

Mantenha o nível de qualidade no pós-venda

O pós-venda é a continuidade de uma grande jornada que começa com as ações de atração de novos clientes. Por isso, para trazer os resultados esperados, ele precisa manter o alto nível de qualidade das outras iniciativas da empresa.

Nesse sentido, é necessário um trabalho de análise para certificar que todos os canais de comunicação e outros serviços que façam parte da estratégia estejam funcionando corretamente e disponíveis para os clientes.

O gestor precisa estar ciente de quaisquer problemas a fim de propor soluções rápidas e definitivas. O pós-venda se baseia em um relacionamento direto com o usuário, quando essa interação se mostra deficiente, o conceito basicamente não funciona.

 

Realize pesquisas de satisfação

Por mais que crie bons planejamentos e implemente soluções inovadoras, uma empresa só consegue ter a certeza da sua eficiência ao medir a real satisfação do cliente. Afinal, ele é a razão de todo e qualquer investimento.

Por isso a aplicação de uma pesquisa de satisfação é vital para o sucesso do pós-venda. A empresa precisa ouvir o cliente para conhecer fatores como:

  • expectativas quanto ao serviço de pós-venda;
  • principais dúvidas e reclamações;
  • sugestões de serviços.

Um dos métodos simples, mas de grande eficiência é o Net Promoter Score (NPS). Com ele é possível saber qual o nível de satisfação dos usuários através de perguntas diretas. Funciona assim: você define uma escala de 0 a 10 e apresenta para os clientes questionamentos como:

  • Qual o seu nível de satisfação com o nosso serviço?
  • Quais as chances de você indicar a nossa empresa?
  • Que nota você daria para o nosso atendimento?

Por fim, para uma mensuração correta, é necessário dividir os clientes em três grupos: detratores (notas de 0 a 4), passivos (notas de 5 a 8) e divulgadores (notas de 9 a 10).

Com esse feedback é possível extrair informações valiosas e úteis. A partir daí deve-se trabalhar para criar ações que atendam as necessidades dos clientes, solidificando a relação entre as duas partes.

As ações de pós-venda não são práticas onerosas para as empresas, mas, se realizadas corretamente, podem trazer grandes resultados. Uma etapa de pós-venda bem planejada mantém os clientes fidelizados e ainda facilita a atração de novos. Hoje, com inúmeras mídias de comunicação, é imperativo trabalhar o relacionamento com o cliente além dos serviços básicos.

Gostou das dicas? Que tal agora conhecer 5 ferramentas para otimização de processos e melhorar ainda mais o seu pós-venda?