mulheres no transporte de carga

Mulheres no transporte de cargas, vez e voz a todas

Hoje, em razão da alta competitividade do mercado as empresas estão buscando profissionais cada vez mais capacitados e com diferenciais que agreguem no dia a dia. Esse novo cenário de oportunidades está possibilitando a entrada de mais mulheres no transporte de cargas, profissionais com alta capacidade e habilidade para superar os desafios do setor.

Mas, é fato que aqui no Brasil ainda estamos longe de uma realidade ideal. Infelizmente, mesmo tendo acesso a informações e estudos, ainda há gestores que deixam a questão do gênero sexual falar mais alto que a capacidade profissional no momento da contratação. Mas a tendência é de mudança.

Para explicar melhor o panorama nacional de mulheres no transporte de cargas, preparamos este artigo trazendo dados e informações importantes sobre o assunto. Continue lendo e confira.

Boa leitura!

Qual o panorama nacional de mulheres no transporte de cargas?

Segundo o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), o setor de transporte nacional conta com quase 2,3 milhões de trabalhadores. Desse total, apenas 17% são do sexo feminino. Um dado que, por si só, evidência a discrepância da participação de homens e mulheres no transporte.

Outro estudo que chama a atenção é do IPTC (Instituto Paulista do Transporte de Cargas), feito apenas com mulheres que trabalham no segmento de transporte de cargas. Segundo a pesquisa, aproximadamente 70% dessas profissionais atuam apenas com homens em suas respectivas empresas.

Mas, ao mesmo tempo em que essas pesquisas mostram uma diferença ainda grande na participação de homens e mulheres no transporte, também apontam um caminho de oportunidades.

Embora desnivelada, essa realidade mostra que muitas mulheres conseguiram entrar e se afirmar no setor, e que ainda há espaço para muitas outras. E como hoje a aceitação do mercado é muito maior, mesmo com alguns ainda insistindo no contrário, a tendência é de crescimento na participação para os próximos anos.

Outro ponto favor para a contratação de profissionais do sexo feminino vem do estudo feito pela McKinsey & Co9. No seu relatório intitulado “Mulheres Importam: um motor de desempenho corporativo”, a instituição de consultoria concluiu que empresas que contam com mais de três mulheres em funções importantes tendem a pontuar bem em fatores como:

  • cultura e clima;
  • aprendizagem;
  • capacitação;
  • orientação;
  • inovação.

O que está sendo feito para aumentar a participação de mulheres no transporte?

Mesmo com uma situação a ser trabalhada, é possível dizer que agora é a vez das mulheres no transporte de cargas. E para acelerar esse processo, muitas empresas já trabalham com projetos próprios a fim de atrair ou qualificar mulheres para atuarem no volante de caminhões e outros veículos de transportes.

Trata-se de um movimento mais comum em instituições que já apresentam gestões mais inovadoras desde a origem, mas que aos poucos vem sendo tomado por marcas, digamos, mais conservadoras.

Mas não só as empresas estão fazendo a sua parte para aumentar a participação de mulheres no transporte. Também há projetos sendo desenvolvidos por sindicatos e órgãos para trazer mais igualdade para o setor. Acompanhe.

Projeto Vez e Voz

Criado pelo SETCESP (Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região), o projeto Vez e Voz tem o intuito de dar mais espaço para que as mulheres do setor de transporte possam compartilhar suas experiências.

A ideia é formar uma grande rede de apoio, possibilitando que as profissionais da área se incentivem e atraiam outras mulheres para iniciar carreira dentro do segmento.

Habilitação Profissional para o Transporte

Já o projeto “Habilitação Profissional para o Transporte” é desenvolvido pelo Sest/Senat e tem o objetivo de profissionalizar mulheres para o transporte de cargas e de passageiros.

A iniciativa funciona como um curso para motorista, pegando profissionais que já contam com a habilitação B e realizando a migração para as categorias C, D, E. Segundo o próprio Sest, desde 2018, a procura de mulheres para a mudança de categoria na CNH cresceu mais de 60%.

Enfim, o fato é que o setor logístico em geral pede cada vez mais por mão de obra qualificada. Com a mudança de pensamento das empresas e incentivos por parte de órgãos públicos, a tendência é que tenhamos o número muito maior de mulheres no transporte nos próximos anos. Afinal, a competência está no conhecimento e na habilidade do profissional, não é mesmo?

Nós da RDR, acreditamos que as mulheres possuem papel fundamental em nossas operações logísticas e por conta disso estamos sempre em busca de novas integrantes para esse time.

Gostou do artigo? Continue no nosso blog e entenda como começar o ano com um planejamento eficiente! 

caminhão a gás

Sustentabilidade dos caminhões a gás

Lembra-se da grande greve dos caminhoneiros que ocorreu em 2018? Você sabia que ela poderia ter sido evitada, ou pelo menos ter sido em menor proporção, se o Brasil investisse em medidas de sustentabilidade como, por exemplo, a fabricação de caminhões a gás?

Segundo especialistas do setor de combustível, ao utilizar veículos movidos a gás, os caminhoneiros economizariam até R$1,00 por litro durante suas viagens. Na época da greve, os profissionais estavam reivindicando um corte de R$ 0,46 no valor do diesel nos postos – faça as contas e veja o quanto aquele cenário poderia ter sido diferente.

Mas, você sabe qual é o panorama atual dos caminhões a gás no nosso país? E o quanto uma mudança nesse sentido contribuiria para a pauta da sustentabilidade? Para entender mais sobre o assunto, confira a nossa postagem a seguir.

Boa leitura!

Qual é o panorama dos caminhões a gás no Brasil e no mundo?

O uso de gás natural como combustível para os caminhões e outros equipamentos não é uma novidade. Na verdade trata-se de uma tecnologia com mais de 3 décadas, mas que perdeu espaço no início dos anos 90.

Naquela época, foi difundida a ideia de que motores de veículos pesados não eram fortes o suficiente quando alimentados por gás natural. Assim, o desenvolvimento dos equipamentos “andou” a vagarosos passos até o início dos anos 2000.

Mas, na virada do século essa dificuldade foi superada e hoje o motor a gás tem a mesma potência que outros modelos, com caminhões e demais veículos apresentando a mesma performance.

Nos Estados Unidos e na Europa, por exemplo, já é comum a utilização de veículos a gás natural no transporte de cargas e de pessoas. Até mesmo aqui na América do Sul países como a Bolívia, o Peru e a Argentina utilizam esses modelos dentro da logística.

No entanto, quando olhamos aqui para o Brasil a utilização desse tipo de veículo ainda é irrisória. A grande maioria dos profissionais e empresas ainda faz uso de caminhões e ônibus a diesel para o deslocamento de mercadorias e de passageiros pelas estradas do país.

Por que essa tecnologia é tão pouco utilizada no Brasil?

Mesmo sendo uma tecnologia que trabalha dentro da ideia de sustentabilidade e se mostra até mais barata que outras iniciativas como os carros elétricos, o motor a gás ainda não ganhou um grande espaço no Brasil. Mas, por que será?

Um dos principais motivos para essa fraca expansão é justamente a demanda interna. Montadoras aqui no país já até desenvolvem caminhões a gás, mas a maioria é para exportação. O trabalho é para atender demandas específicas de países aqui mesmo da América do Sul.

Com poucos veículos a gás rodando pelas ruas e estradas do país, também é limitada a rede de postos para abastecer esse tipo de combustível. Com isso, os motoristas que buscam a mudança só têm como opção a conversão com o Kit gás – um processo bastante caro, chegando a custar 25% do valor original do veículo.

Todos esses fatores culminam em um cenário complicado e ainda de difícil mudança em curto prazo. Para as montadoras, seriam necessários projetos voltados a essa área para uma diminuição de custos real a todos os envolvidos.

Como caminhões a gás contribuem para a sustentabilidade?

Se o futuro dos caminhões a gás no Brasil ainda é incerto, os benefícios para a sustentabilidade possibilitados pela sua utilização não levantam dúvidas.

Além de ser um combustível mais barato que o diesel, o que facilita muito a vida do motorista, a tecnologia a gás produz uma queima de poluentes e gases nocivos em um volume muito menor.

Essa diferença traz um impacto positivo para a saúde da população no dia a dia e para o controle do efeito estufa no nosso planeta. Em outras palavras: é bom para o bolso e principalmente para a sustentabilidade do meio ambiente.

Enfim, caminhões a gás já são realidade na logística e podem ser tão produtivos quanto os modelos a diesel. E ainda que não seja um investimento imediato, é importante você conhecer todas as medidas que trazem mais economia para a sua empresa e ajudam a fortalecer a pauta de sustentabilidade. Faça a sua parte para uma logística verde.

Gostou do artigo? Aproveite para conferir agora o nosso artigo sobre o Machine learning na logística.

dicas de planejamento logístico

Planejamento Logístico 2021: Por onde começar?

Embora 2020 tenha sido um ano complicado, no mundo corporativo ele serviu para mostrar o quanto um trabalho prévio é essencial para qualquer negócio. Empresas que estavam mais preparadas tecnologicamente e estrategicamente conseguiram sobressair às demais. Por isso, para 2021, mais do que nunca, um bom planejamento logístico tende a fazer muita diferença.

O fato é que diante das incertezas que ainda pairam no ar, como possíveis novas restrições, a logística da sua empresa precisa ser mais estratégica. Não basta seguir o “básico” no próximo ano, é preciso estabelecer uma logística mais prática, mais alinhada às expectativas dos usuários.

Quer saber como fazer isso e por onde começar o seu planejamento logístico 2021? Então, continue lendo e confira as nossas dicas.

Boa leitura!

Por que um ótimo planejamento logístico é fundamental para 2021? O que mudou?

Até o momento do lançamento deste post, o Brasil e o mundo está vivendo um “novo normal”, uma rotina onde há limitações para pessoas frequentarem o mesmo lugar, onde a utilização de álcool em gel deve ser constante, entre outras coisas.

Pode ser que esse “novo normal” acabe no primeiro dia de 2021, mas ele também pode perdurar por anos ou décadas. De fato, não há como saber.

A única certeza é que, independentemente do cenário, o mercado não deixará de ser competitivo. E o ano de 2020 serviu de “teste” para que muitas empresas criassem novas estratégias e diferenciais para suas marcas.

Por exemplo, para se alinhar às necessidades do público diante de tantas restrições, a Amazon e a Walmart desenvolveram técnicas para realizar entregas ainda mais rápidas e baratas – chegando a gerar uma “pequena guerra” entre as duas empresas nos Estados Unidos.

É claro que para megacorporações é fácil criar saídas diante das dificuldades, mas o nível de acerto delas também está ligado à criação de planejamentos completos e inteligentes.

Mesmo com uma empresa mais modesta, em comparação à Amazon, você pode fazer muito mais em 2021. O planejamento logístico é justamente o que lhe dará suporte para reduzir os custos operacionais e, gradativamente, melhorar a velocidade de entrega dos produtos.

Por onde começar o seu planejamento logístico para 2021?

Outra certeza que podemos ter neste momento é que o planejamento logístico de 2021 não pode ser o mesmo de 2020. Até o ano passado, mesmo com algumas crises econômicas e políticas, as mudanças não eram tão substanciais. Você sempre sabia que era necessário aperfeiçoar a equipe de trabalho e melhorar o atendimento ao cliente.

Claro, esses fatores ainda são importantes. Mas o mundo mudou muito em pouco tempo. A “guerra” entre Walmart e Amazon não foi à toa. Os planejamentos logísticos em 2021 devem priorizar a agilidade e a qualidade dos serviços logísticos.

Mas, por onde começar? Confira as nossas dicas.

Armazenagem e estoque

Como explicado, o planejamento logístico para 2021 precisa ser muito mais estratégico. Diante disso, a armazenagem de produto deve ser trabalhada a fim de facilitar ao máximo o processo logístico.

É preciso fazer perguntas como: vale a pena manter um estoque alto em 2021 ou um estoque rotativo está mais alinhado à realidade atual? Como eu posso diminuir o desperdício de mercadorias durante o armazenamento?

Outro item a ser adicionado ao planejamento logístico em relação ao estoque é um posicionamento que possibilite uma saída mais rápida dos produtos, favorecendo o dinamismo das próximas etapas. Aproveite o ano de mudanças para fazer esse tipo de alteração.

Parceiros de transporte

Se a agilidade será um fator essencial no próximo ano, então a definição dos seus parceiros de transporte deve ser prioridade no planejamento logístico de 2021.

Você deve começar avaliando o trabalho dos transportadores em 2020. Analisar o resultado de medidores de desempenho como cumprimento de prazo, avaria de mercadoria, disponibilidade de equipamentos etc.

A partir daí é preciso entender quais se encaixam no “novo normal” logístico, onde as exigências de agilidade e qualidade nas entregas serão muito maiores.

Por fim, alinhe os contratos com aqueles que permanecerão ou busque parceiros que demonstrem capacidade para superar as novas expectativas.

Tecnologia

Uma entrega mais rápida não se faz apenas com caminhões novos e uma armazenagem inteligente, não é mesmo? Você precisa de ferramentas tecnológicas que facilitem o processo, economizem tempo de operação e reduzam os custos – afinal, mesmo não sendo citado diretamente, o controle de custos é um fator inerente a qualquer planejamento logístico.

Esse é mais um ponto que você, como gestor, deve adicionar na hora de escolher novos parceiros logísticos. É importante que as transportadoras sejam adeptas à inovação e tecnologia, possibilitando, por exemplo, que a sua empresa consiga acompanhar o trajeto de entrega e repassar as informações para os clientes.

É claro que a tecnologia também deve estar presente na sua própria empresa. O planejamento logístico precisa ser pensado para um ambiente mais capacitado tecnologicamente, com sistemas de gestão e máquinas que otimizem a rotina operacional.

Enfim, não se deixe enganar pelo cenário de 2020. Enquanto você fica parado diante das incertezas, a concorrência já cria e define um planejamento logístico mais alinhado com as necessidades dos clientes. Então, analise as nossas dicas e garanta um 2021 mais forte e competitivo para a sua marca.

Gostou do artigo? Continue no nosso blog e entenda mais sobre outra tendência para o próximo ano: a logística verde.

Logística de varejo

Logística no varejo

A logística no varejo é a forma mais eficaz para que as empresas do setor consigam otimizar suas operações e garantam a oferta de produtos para seus consumidores. Ou seja, aqui, a logística tem influência direta no relacionamento com os clientes.

Isso significa que quanto mais bem desenvolvido o trabalho logístico, mais destaque uma empresa tende a ter no ramo varejista. Da mesma forma que uma logística falha pode resultar na perda de espaço dentro do mercado.

Quer entender mais sobre a logística no varejo e o quanto ela pode ser importante para a sua empresa? Então, continue lendo e confira a nossa postagem completa sobre o assunto.

Boa leitura!

Como funciona a logística no varejo?

Essencialmente, a logística é a metodologia que garante a possibilidade de os itens certos estarem nos locais certos, no prazo combinado e ao menor gasto possível. E para que tudo isso seja possível, são desenvolvidos processos específicos como:

  • armazenagem;
  • distribuição;
  • embalagem;
  • transporte;
  • coleta.

É um conceito que se repete em qualquer setor, independentemente do tamanho da empresa que contrata ou realiza o serviço.

A logística no varejo funciona da mesma forma. Com a aplicação dos processos citados, a operação garante que os clientes do estabelecimento varejista tenham à disposição os produtos desejados no momento certo, sendo essencial na experiência de compra.

Por que é importante ter uma eficiente cadeia de suprimentos no varejo?

Em alguns setores, a logística é vista como uma área separada das demais, funcionando de maneira um pouco paralela. Mas, como explicado, no varejo é totalmente o contrário. A logística no varejo impacta diretamente na forma como o cliente enxerga a sua marca.

Por exemplo: ainda que o consumidor não seja especialista no assunto, ao não encontrar o produto desejado na prateleira, ele entende que as mercadorias certas não estão sendo entregues. E se esse cenário se repete muitas vezes, você corre sério risco de perder esse cliente.

Mas é claro que uma perfeita sintonia entre o serviço da sua empresa e as expectativas do cliente só é possível quando você tem uma supply chain eficiente. Com todas as etapas alinhadas, você não só constrói um bom relacionamento com o consumidor como também garante outras vantagens. Confira.

Redução de custos

Como você sabe, todo o processo que vai da aquisição do produto à distribuição ao cliente pode ser bastante custoso. Por isso a logística no varejo é tão essencial.

É por meio de técnicas aplicadas nessa metodologia de trabalho que você consegue identificar e resolver gargalos que acontecem em diferentes etapas da cadeia de suprimentos.

Com um processo bem construído, você tem rotas mais seguras e rápidas, armazenagens que respeitam as características dos produtos, separações e coletas com menos avarias, entre outros. A cada mês a tendência é de mais eficiência e menos custos.

Serviço de maior qualidade

No Brasil existem milhares de empresas varejistas, todas trabalhando com um mesmo objetivo: oferecer produtos aos clientes. A grande diferença de uma marca para outra está justamente na qualidade do serviço desenvolvido.

Para o cliente, ainda que os produtos oferecidos por determinada marca sejam reconhecidamente de alto padrão, não adianta se ele nunca consegue encontrá-los nas prateleiras. Há uma conclusão de que o serviço oferecido é falho.

Mas com uma logística no varejo bem trabalhada você não corre esse risco. O consumidor sempre terá os itens desejados à disposição e em quantidade que atenda às expectativas.

Vantagem de mercado

Obviamente, com um serviço de qualidade e que atende aos anseios dos clientes, a sua empresa se destaca das demais e ganha vantagem competitiva. E em um mercado tão inflado, esse tipo de benefício ajuda a sua marca a se manter na ponta, mesmo em situações macroambientes como crises políticas ou econômicas.

Por que contar com uma transportadora especializada na logística de varejo?

Com a certeza de que a logística no varejo é essencial para o sucesso do seu negócio, a melhor opção é garantir qualidade nesse serviço. Mas, não há como negar que uma logística de alto padrão demanda foco total, e em uma empresa que precisa se preocupar com outros departamentos nem sempre isso é possível.

Seja você fabricante do produto ou revendedor para o cliente final, em geral, a logística é sim fundamental, mas acaba não sendo o cerne da empresa.

Mas então, como garantir um serviço logístico de qualidade sem ter que abrir mão das outras atividades principais do negócio? A resposta está na parceria com uma transportadora especializada.

Ao contrário da sua empresa, uma transportadora tem o foco total na logística e no desenvolvimento de todas as etapas do processo. Tendo expertise no assunto, ela garante não apenas a movimentação dos produtos, como torna possível todos os benefícios citados no tópico anterior.

Porém, a principal vantagem de contar com uma transportadora especializada, sem dúvida, é se dar ao luxo de focar no core business do seu negócio, seja fabricação ou revenda, tendo a certeza de contar com um serviço logístico de qualidade.

Enfim, o aperfeiçoamento da logística no varejo é uma ideia que deve estar presente em todo planejamento de qualquer empresa do ramo. Tenha em mente que não adianta fabricar ou revender produtos de qualidade se eles nunca estiverem disponíveis quando os clientes precisarem. A sua vantagem competitiva depende do sucesso da logística.

A RDR é referência no Brasil na logística de varejo, com expertise no ramo alimentício e carga seca. Acesse e saiba como a RDR pode ajudar a sua empresa hoje.

Black Friday, o impacto na logística

Mesmo diante de algumas crises, sejam políticas ou sanitárias, a Black Friday vem se mantendo como uma das datas mais fortes para o varejo no país. A cada ano só aumenta o número de consumidores que esperam justamente o mês de novembro para realizarem suas compras.

Se no início a Black Friday era tratada com pouco esmero por muitas empresas, que queriam vender, mas com pouco planejamento, agora há uma certeza sobre a importância da preparação prévia. A mudança de pensamento fica claro quando observarmos a relevância que a logística tomou para muitos gestores em relação à Black Friday.

É justamente sobre esse impacto que falaremos no post de hoje. Continue lendo e saiba ainda como preparar a logística da sua empresa para a tão importante Black Friday.

Boa leitura!

Qual o impacto da Black Friday na logística?

Quando chegou ao Brasil, há quase 1 década, a Black Friday acontecia apenas em uma única data do mesmo de novembro – assim como acontece nos Estados Unidos. Porém, com o tempo, a estratégia deu tão certo em território nacional que deixou de ser promoção de único dia para se tornar um evento de mês inteiro.

Claro, ainda existe a “Black Friday”, que em 2020 acontece no dia 27 de novembro, mas a data se tornou muito mais abrangente. E isso se deve muito ao faturamento que aumenta a cada ano. Em 2019, por exemplo, o varejo faturou mais de 3 bilhões com a Black Friday.

Graças a essa abrangência, os empresários começaram a entender que a data tinha que ser tratada de forma mais acurada, com planejamentos prévios e melhores execuções. E uma das áreas mais impactadas nessa mudança de pensamento foi justamente a logística, e a razão disso é bem simples.

A verdade é que ao mesmo tempo em que aumentava a participação dos consumidores durante a Black Friday, também crescia o número de reclamações em relação ao estoque, a entrega e a troca de produtos – atividades relacionadas à logística.

Ou seja, não adiantava apenas esperar o mês de novembro e deixar a mágica acontecer. Era preciso melhorar a logística e garantir uma experiência completa para o consumidor. E assim aconteceu. Com estratégias mudando desde grandes marcas até pequenos empreendedores.

O Mercado Livre é um ótimo exemplo. A empresa que por muitos anos no Brasil direcionava mais recursos para a divulgação e promoção da Black Friday passou a concentrar investimentos no setor logístico.

Para a Black Friday de 2021, por exemplo, a gigante do e-commerce planeja investir cerca de 4 bilhões de reais no país, com a logística sendo favorecida com a maior parte desse montante.

Como melhorar a logística para a Black Friday?

Agora você já sabe que a logística é essencial para que os bons resultados esperados para a Black Friday aconteçam. Mas é aí que podem surgir alguns questionamentos: como fazer? Como melhorar a logística da sua empresa para uma data tão importante?

Conheça algumas estratégias adotadas por empresas de diferentes portes no mercado.

Garanta um estoque adequado

Para vender muito é preciso contar com uma quantidade alta de produtos. Afinal, não adianta esperar aumento nas vendas se a sua empresa não tem produto disponível no estoque. Além de frustrar os clientes, você pode ter grandes problemas com reclamações e cancelamentos de compras.

Então, garanta um estoque adequado, um volume que seja capaz de suprir a alta demanda da Black Friday. Para isso, algumas medidas pontuais precisam ser tomadas, por exemplo:

  • realizar inventários prévios do seu estoque;
  • mobilizar o departamento de compras;
  • negociar com os fornecedores.

Capacite a equipe de atendimento

Já faz tempo que a ideia de um trabalho isolado por parte setor logístico foi superada. Hoje há um entendimento de que um serviço em alta excelência só é possível quando a logística trabalha em sintonia com outras áreas, como, por exemplo, o Atendimento.

O Atendimento é sim uma das etapas importantes da logística, pois é a partir dessa interação que o cliente começa a tirar dúvidas e entender como a logística da empresa funciona, evitando ruídos de comunicação futuros.

Ao treinar a equipe de Atendimento você a torna capaz de iniciar a jornada, educar o cliente e pôr fim em lendas urbanas relacionadas à logística da Black Friday, tais como:

  • entregas relâmpagos;
  • trocas instantâneas;
  • estoque infinito.

Conte com uma transportadora terceirizada

Realizar uma operação própria de transporte de mercadoria, por si só, já é um grande desafio no Brasil. Estradas mal pavimentadas, insegurança, custos com veículos, entre outros: as dificuldades são enormes. E isso em tempos normais. Na Black Friday tudo é potencializado.

Por isso não adianta arriscar, para uma logística completa e condizente com a demanda da data é preciso terceirizar. Com a participação de uma transportadora você delega várias etapas fundamentais do processo para quem é especialista no assunto.

Dessa forma, além de garantir um serviço de qualidade na parte logística, você consegue diminuir custos com pessoal e veículos, bem como, focar em fatores essenciais como negociação e vendas.

Enfim, se preparar para eventos de grande comoção no varejo como o Natal e a Black Friday nunca foi tão importante. Se o comportamento do consumidor já estava em processo de mudança antes da crise sanitária, a pandemia acelerou de vez essa transformação. Agora, não há dúvidas que somente as marcas capazes de atender as expectativas dos clientes se manterão fortes dentro do mercado. Você não pode ficar para trás.

Continue no nosso blog e conheça agora algumas ótimas soluções para a logística em tempos de Covid-19.

machine learning na logistica

Machine learning na Logística

O machine learning, sem dúvida, é uma das recentes ferramentas tecnológicas que mais traz benefícios para a logística. Afinal, em um setor no qual os processos externos cobrem boa parte das operações, contar com uma tecnologia que ajuda na previsibilidade faz toda a diferença.

Talvez, o único entrave que ainda atrapalha muitas empresas a usufruírem das vantagens da machine learning na logística é justamente a falta de conhecimento de seus gestores sobre o assunto. Ainda que muitos já utilizem os conceitos práticos em suas rotinas, há outros que acreditam se tratar de algo fora de alcance.

Então, para ajudar você e outros profissionais que ainda têm dúvidas sobre o assunto, a seguir, falaremos mais sobre como o machine learning se aplica no dia a dia logístico e quais são suas vantagens reais. Continue com a gente e confira.

Boa leitura!

Por que contar a machine learning na logística?

Apesar de ser algo revolucionário, o conceito do machine learning é até bem simples de entender. O nome “aprendizado da máquina” é autoexplicativo e aponta como a tecnologia funciona na prática. Por meio da inteligência artificial (IA), as ferramentas da sua empresa que contam com machine learning aprendem e conseguem desenvolver ou indicar novas práticas, ideias e conceitos para melhorar a rotina de trabalho.

Por exemplo, digamos que você utilize uma plataforma para a criação de rotas que funciona com a tecnologia do machine learning. A cada novo dado inserido, a ferramenta é capaz de aprender e apontar rotas mais seguras e que melhorem a produtividade dos caminhoneiros.

Os dados em questão podem ser justamente relatos de experiências anteriores dos próprios motoristas, informações de fontes confiáveis sobre segurança e condições da via, previsões climáticas, entre outros.

Com isso, a máquina se torna capaz de otimizar um processo que, historicamente, sofre muito com imprevisibilidade. Os motoristas saem mais preparados da empresa e seguindo destinos que ofereçam menor chance de contratempos.

De que outras maneiras o machine learning está revolucionando a logística?

Entendido o porquê o machine learning ser uma tecnologia condizente com a logística, confira agora como a ferramenta está revolucionando o dia a dia de muitas empresas do setor.

Melhor precificação de fretes

Com o machine learning a precificação de fretes tende a ser melhorada, pois a definição é feita com estudos e comparativos analíticos. Não há mais achismos ou incertezas. A tendência é de uma precificação que traga mais rentabilidade para o negócio e maior confiança para o cliente. E a cada novo frete realizado, mais aperfeiçoada será a próxima definição.

Maior controle das cargas

Além da criação e indicação de rotas mais seguras citadas anteriormente, o machine learning permite maior controle das cargas, pois trabalha em constante atualização. Com as informações inseridas por motoristas ou profissionais de dentro da empresa, a ferramenta de se atualiza e faz o acompanhamento real de fatores importantes, tais como:

  • tempo estimada para chegada;
  • condições da carga;
  • localização.

Otimização da cadeia de suprimento

Como você sabe, a cadeia de suprimento é formada por diversos processos e equipes. E, por mais que um profissional seja tecnicamente preparado, é humanamente impossível que ele consiga receber a analisar muitas informações.

Já com o machine learning é diferente. Além de receber uma quantidade imensurável de dados, a tecnologia consegue fazer novas análises e projeções de maneira instantânea. Por exemplo, com as informações passadas pelo controle de estoque, a equipe de compras recebe indicações sobre quais mercadorias devem ser adquiridas para que não haja rupturas.

Assim como o motorista recebe sugestões de novas rotas quando houver algum imprevisto durante a sua viagem. Toda cadeia interligada e aperfeiçoada.

Qual a importância da IOT e big data para o sucesso do machine learning?

Como você pôde notar ao longo da postagem, a eficiência do machine learning depende muito da obtenção de dados para análise e desenvolvimento da Inteligência Artificial. É por isso que a participação de outras tecnologias como o big data e IOT são essenciais.

O big data é justamente a ferramenta que permite o armazenamento de uma quantidade imensurável de dados. É a partir dele que o machine learning extrai informações suficientes para realizar previsões e análises.

Já o IOT (Internet das Coisas) é a tecnologia que integra todos os equipamentos da sua empresa à internet. Computadores, máquinas, caminhões, entre outros: todos interligados e repassando informações para o big data e machine learning através da grande. Uma integração que permite a IA do machine learning trabalhar sem a intervenção de terceiros.

Por falar em caminhões, os veículos autônomos estão entre as grandes tendências do machine learning para os próximos anos. Grandes empresas como a Amazon já realizam entregas mais curtas utilizando caminhões capazes de aprender a partir de informações externas.

Enfim, o machine learning já é uma realidade na logística e muitas empresas se beneficiam da tecnologia até para melhorar a comunicação com os seus clientes. Porém, não basta que apenas sua marca seja adepta a esse tipo de ferramenta. No setor logístico, nenhuma empresa trabalha individualmente, por isso é importante que parceiros como transportadoras e fornecedores também abracem a inovação em suas rotinas.

Gostou do artigo? Deixe o seu comentário.

o que é big data e como usar na logística

Logística com Big Data

Embora a logística seja conhecida como um setor que abraça a tecnologia, essa exploração sempre foi mais focada na parte operacional, com a utilização de grandes máquinas na produção. As partes estratégias, gerenciais e administrativas, normalmente, ficavam aquém do potencial. Porém, isso está mudando, com muitas empresas já adotando ferramentas como o Big Data.

Em um mundo cada vez mais digital, com os clientes se comunicando e fechando negócios pela internet, as empresas perceberam que poderiam utilizar os dados gerados em cada operação para crescimento próprio. Mas, para isso, era preciso uma solução que suportasse a imensa quantidade de informações diárias. A partir dessa ideia, nasceu o Big Data.

Mas, você sabe o que é o Big Data ou como a logística da sua empresa pode ser beneficiada com a adoção dessa ferramenta? Para ajudar você a entender mais sobre o assunto, preparamos este artigo explicando o funcionamento do Big Data na logística.

Boa leitura!

 

O que é o Big Data?

Em tradução livre podemos considerar Big Data como “Grande dado”, um conceito que ajuda a entender a ferramenta com mais facilidade. A palavra “Big” não é à toa, pois se trata de uma tecnologia capaz de armazenar uma quantidade imensurável de informações.

Como explicado na introdução, o Big Data foi criado exatamente para que as empresas pudessem armazenar os dados gerados em todos os seus processos, sejam externos ou internos. Não importa qual tipo de informação, se é digital, a ferramenta consegue armazenar.

Uma ótima maneira de entender o funcionamento do Big Data é analisando os serviços de streaming de séries e filmes. Graças à grande contenção de dados possibilitada pela ferramenta, as plataformas conseguem estudar o comportamento dos usuários e oferecer opções de entretenimento condizentes com cada perfil.

Claro, é um setor completamente diferente da logística, mas a eficiência do Big Data é a mesma em qualquer segmento.

 

Como o Big Data funciona na logística?

Por incrível que pareça, falar em Big Data na logística ainda pode causar espanto em alguns gestores hoje em dia. Afinal, muitos entendem o aperfeiçoamento tecnológico apenas como fator operacional, desperdiçando oportunidades de otimização na parte estratégica.

Assim como a maior parte dos setores atualmente, a logística gera uma infinidade de dados diariamente, e isso pode ser utilizado a favor da sua empresa. Saiba como.

Otimização de rotas

Um dos gargalos mais comuns na logística acontece justamente na movimentação externa de mercadorias feita pelos veículos, seja para os armazéns ou para a entrega aos clientes. Muitas vezes, os motoristas são pegos de surpresa por obras nas estradas, violência ou outros contratempos.

Essa dificuldade pode ser significantemente melhorada com o uso do Big Data. Ao explorar o banco de dados da empresa, contendo históricos de viagens e outras informações extraídas de fontes confiáveis, o gestor consegue traçar rotas melhores e facilitar o deslocamento dos veículos.

Além de trazer economia, com combustível e manutenção, e mais segurança para o motorista, a estratégia também otimiza a “última milha”, justamente o processo final de entrega ao seu cliente.

Melhoria da jornada do comprador

A logística tem um papel fundamental na experiência do cliente, desde a separação do produto adquirido até a entrega final. Assim, ao utilizar o Big Data, o setor consegue melhorar muito a jornada do seu comprador.

Por exemplo, com a análise de dados, é possível entender o comportamento do cliente e indicar soluções condizentes com o seu perfil, tais como:

Além disso, o histórico conta com informações que podem facilitar a compra seguinte, como uma mudança de endereço ou um novo ponto de referência. A tendência é de aperfeiçoamento na experiência do cliente a cada nova negociação. Tendo como resultado aumento na fidelização do usuário e, logicamente, crescimento no capital da sua empresa.

Facilidade na precificação do frete

Com o Big Data, mesmo locais com baixo fluxo de entrega têm o seu histórico gravado no banco de dados. Esse pequeno detalhe faz muita diferença para o fechamento de novas negociações e precificação de fretes, pois mesmo diante de uma rota não cotidiana, o gestor consegue puxar informações e analisar os preços praticados em operações semelhantes.

Ou seja, você deixa de trabalhar com achismos e incertezas e passa a tomar decisões de maneira analítica. Transmitindo mais transparência, bem como, maior confiabilidade para clientes e parceiros.

Enfim, as oportunidades de aproveitamento do Big Data na logística são inúmeras. Porém, é sempre importante lembrar que a logística é uma grande cadeia interligada e precisa da participação de outros players, como transportadoras e fornecedores, para completa eficiência. Por essa razão, é essencial contar com parceiros que também primam por uma gestão inovadora e utilizam ferramentas inteligentes como o Big Data.

Gostou do artigo? Continue no nosso blog e entenda como o Machine Learning pode ser aplicado na logística.

o que é logistica verde

Entenda a Logística Verde

Discussões sobre consumo consciente, cuidados com o ambiente etc. já estavam em pauta há um bom tempo no setor logístico, mas ganharam ainda mais força por causa da pandemia do Coronavírus. Gestores e profissionais passaram a debater ainda mais a relevância de práticas como a Logística Verde, por exemplo.

Ainda hoje, a Logística Verde é constantemente confundida com a Logística Reversa, porém se trata de um conceito mais abrangente e focado na sustentabilidade de todas as atividades. E com cada vez mais pessoas informadas no mundo, ela também se torna uma peça essencial dentro das estratégias de negócio.

Quer entender mais sobre como funciona a Logística Verde e como é possível aplicá-la na sua empresa? Continue com a gente e confira esta postagem completa sobre o assunto.

Boa leitura!

 

O que é a Logística Verde?

Como explicado, a Logística Verde tem o objetivo de trazer maior sustentabilidade para uma empresa e garantir que as operações causem menor impacto ambiental. É um conjunto de medidas que tornam os serviços desenvolvidos menos danosos à natureza.

Por essa razão, muitas pessoas confundem a Logística Verde com a Logística Reversa. Embora tenham fundamentos parecidos, não são definitivamente a mesma coisa.

Na verdade, o recolhimento de resíduos sólidos e embalagens de produtos até o local de origem, que configura a Logística Reversa, é exatamente uma das ações da Logística Verde. Ou seja, a estratégia reversa está inclusa no “Planejamento Verde”.

 

Por que se preocupar com o conceito de sustentabilidade na sua empresa?

Diferentemente do que acontecia há alguns anos, em que o conceito só servia de “pano de fundo”, a sustentabilidade é um fator determinante na decisão de muitas pessoas. Na prática não só clientes deixam de comprar, como empreendedores também deixam de fechar parcerias por causa da falta de clareza nas ações de sustentabilidade de uma determinada marca.

Um exemplo simples e atual é o que acontece com o Brasil atualmente. Nações e marcas europeias ameaçam não fechar ou romper acordos já estabelecidos com o nosso país por causa das queimadas na Amazônia. Independentemente de questões políticas, o Brasil pode ser prejudicado economicamente em razão de fatores ligados ao meio ambiente.

Ou seja, hoje, a sustentabilidade impacta diretamente no faturamento de um negócio. E não apenas na questão de compra, venda e negociações diretas. Ao praticar a Logística Verde, uma empresa garante, por exemplo, o retorno de materiais que podem ser reutilizados e diminuir os custos de novas produções.

A tendência é que essa importância só cresça no futuro, com cada vez mais pessoas preterindo produtos mais populares em razão de mercadorias de empresas ecologicamente mais corretas.

 

Como desenvolver a Logística Verde na sua empresa?

Agora, conheça algumas medidas simples que ajudam a desenvolver a Logística Verde na sua empresa.

Evite desperdícios e gastos desnecessários de recursos

Para começar a implementar a Logística Verde não precisa fazer grandes modificações no seu negócio. Medidas simples, como a diminuição do desperdício de papel e outros materiais no dia a dia já é um bom pontapé inicial.

Além disso, criar campanhas para a utilização consciente de recursos, como água e energia, também mostra que a sua empresa está alinhada à política de sustentabilidade.

Pratique a logística reversa

Como dissemos, a logística reversa é um dos pilares da Logística Verde, sendo essencial para garantir a destinação adequada de embalagens e resíduos.

Por isso é importante que a sua empresa tenha um planejamento completo, que envolva o recolhimento e reaproveitamento desses itens.

Conte com parceiros inovadores

Abraçar as práticas de sustentabilidade é importante, mas a Logística Verde vai além dos muros da sua empresa. Por exemplo, se um parceiro logístico não seguir a mesma linha, todo o trabalho feito internamente pode ser jogado fora.

Pense que os seus parceiros também representam a sua marca para os clientes, por isso é essencial primar por aqueles que já praticam a sustentabilidade diariamente.

Enfim, cada vez mais o mundo está mostrando que ações mais conscientes são fundamentais para o bem de todos. Sendo assim, desenvolva a Logística Verde na sua empresa e esteja lado a lado com parceiros como a RDR, que foca em práticas de sustentabilidade como a logística reversa e a diminuição de Co2 no meio ambiente. Tenha em mente que os clientes estão abraçando mais e mais empresas com esse tipo de atitude. Pense nisso!

Gostou das nossas informações sobre a Logística Verde? Ficou alguma dúvida? Deixe o seu comentário.

corona virus na logistica

A Importância da Logística na retomada econômica

Se há outra certeza nessa pandemia, além da necessidade do cuidado coletivo, é que após o período mais drástico, o país entrará em uma retomada econômica gradativa. E a logística terá papel essencial nessa nova trajetória.

Sendo um setor que assumiu o protagonismo em várias retomadas ao longo da história, a logística já vem se mostrando fundamental na manutenção da “normalidade” durante a pandemia, garantindo o abastecimento de segmentos importantes como Alimentação e Farmacêutica.

Porém, não há dúvidas que muita coisa vai mudar daqui para frente. E, empresas e transportadoras logísticas terão que se mostrar preparadas para corresponder ao aumento da demanda na retomada econômica.

Mas e você, quer entender melhor sobre esse cenário a fim de garantir a competitividade da sua marca? Então, continue lendo e confira a nossa postagem sobre o assunto. Boa leitura!

Setor logístico não parou na pandemia

Assim como todo o mundo, a logística sofreu impactos negativos por causa do Coronavírus. Logo no início, algumas operações sofreram atrasos, pois precisaram se adaptar à nova realidade.

Mas, diferentemente com alguns setores, como o comércio físico de roupas e eletrodomésticos, a logística não parou suas atividades nem por segundo. Na verdade, aconteceu justamente o contrário.

Por meio, principalmente do modal rodoviário, aqui no Brasil, o setor logístico se mostrou como um dos principais fios condutores para a manutenção da economia e de outras áreas de suma importância, como alimentícia e farmacêutica.

A relevância dos transportadores foi tão alta durante a crise que o governo brasileiro decidiu enquadrar o transporte de carga com atividade essencial – colocando a categoria no mesmo patamar da saúde, alimentação e segurança.

Para garantir que os caminhoneiros não parassem e não sentissem tanto as dificuldades impostas pela pandemia, várias decisões exclusivas foram tomadas visando o dinamismo diário, por exemplo:

  • Extensão para o RNTRC – Registros Nacionais de Transportadores Rodoviários de Cargas (RNTRC) que venceriam entre 1 março e 30 de junho tiveram uma prorrogação para o dia 31 de julho;
  • Suspensão das balanças de pesagem – fim temporário das balanças de pesagem nas estradas federais;
  • Prorrogação para a emissão do CIOT – prorrogada a emissão do Código Identificador da Operação de Transporte (CIOT) para 31 de julho;
  • Suspensão dos prazos para a regularização da CNH – habilitações vencidas desde 19 de fevereiro são consideradas válidas até uma nova confirmação do Contran;
  • Abertura de restaurantes em beira de estrada – diferentemente dos estabelecimentos que se encontram dentro das cidades, que ficaram proibidos de funcionar normalmente.

Preservação da saúde de motoristas e assistentes e cuidados com a carga

No entanto, mesmo com algumas movimentações por parte do governo, a verdade é que o Covid-19 continua sendo um vírus sem cura definitiva. Nesse sentido, para garantir a segurança dos motoristas, assistentes, clientes e de todas as pessoas envolvidas em uma operação logística, as empresas tiveram e terão que se adaptar.

Se em um passado recente a preocupação com a saúde dos profissionais era “básica”, com a entrega e fiscalização dos EPIs, por exemplo, a pandemia mostrou que isso precisa mudar.

Para cumprir o seu papel na retomada econômica, a logística deve se transformar em termos de cuidados com a saúde. Daqui para frente, somente as empresas e transportadoras que continuarem investindo em ferramentas e treinamentos para a proteção de seus profissionais conseguirão cumprir seus serviços com excelência.

Após a pandemia do Covid-19, os clientes e o mercado em si destacarão as marcas que se mostrarem atentos às novas exigências sanitárias e de saúde. Isso também vale para as cargas, que já não poderão ser manuseadas da mesma maneira após o Coronavírus.

Novas medidas implementadas permanecerão

A história da humanidade nos mostra que até a pior das crises é capaz de deixar um ensinamento para o futuro. E se há um legado que a pandemia do Coronavírus pode deixar para as empresas é a que, quando se trata de inovação: você não pode deixar para depois.

É verdade que a Transformação Digital já estava sendo trabalhada na maior parte das empresas. Porém, quando o cenário era “normal”, muitas organizações logísticas se davam ao luxo de escolher quando adotar a inovação – ou mesmo se iam fazê-lo.

Com as medidas de restrição durante a pandemia, mesmo a logística ficou bastante dependente de inovações tecnológicas para se manter em funcionamento. Soluções para atendimento, criação de rotas, rastreamento etc.

Essa novas medidas, sem dúvida alguma, permearão pelos períodos futuros. E não apenas saídas tecnológicas, como cadastramento e negociações online, mas também os cuidados reforçados com a saúde dos trabalhadores e as medidas sanitárias em relação às cargas – como já citado anteriormente e fundamentais na retomada econômica.

A demanda vai aumentar na reabertura e impulsionará a retomada econômica

A confiança da participação logística na retomada econômica não é à toa. Muitas especialistas do setor apontam que a tendência é de um aumento de demanda assim que o cenário mais grave for superado – como aponta a Revista O Carreteiro.

Há uma ideia de que não será preciso nem mesmo esperar uma reabertura completa dos mercados. Assim que a doença estiver em declínio na maior parte do país, alguns setores, impulsionados pela logística, conseguirão um crescimento considerável, tais como:

  • Frigorificados;
  • Agronegócio;
  • Alimentício.

Mas eles não são os únicos. Segmentos como comércio eletrônico e de eletrodomésticos, bem como, de combustíveis, conseguirão se recuperar gradativamente.

Enfim, o fato é que a logística leva vantagem em uma futura retomada econômica, pois é um setor que não parou em nenhum momento. Principalmente aqui no Brasil, com o próprio governo classificando os profissionais da área como essenciais. Porém, como vimos, nesse “novo mundo” é essencial contar com parceiros que abraçam a inovação e se preocupam de maneira real com a saúde dos seus colaboradores e a proteção das cargas transportadas. Por isso, fique atento ao novo futuro.

Ficou com alguma dúvida sobre a retomada econômica na logística? Deixe o seu comentário.

amazon no brasil transporte pequenos frotistas

Amazon no Brasil, qual é o impacto para autônomos e pequenos frotistas

Criada em julho de 1994, pelo americano Jeff Bezos, a Amazon passou de um simples e-commerce de livros e revistas para uma das poucas marcas a ultrapassar 1 trilhão de dólares de valor de mercado.

Agora, como referência mundial do setor logístico, a mega corporação está chegando ao Brasil para investir alto no segmento de entregas. E se tratando da Amazon, com certeza isso trará muitas consequências.

Para entender melhor o que está por vir, a seguir, explicaremos as transformações que a Amazon provocou nos Estados Unidos e como ela pode impactar autônomos e pequenos frotistas aqui no Brasil.

Boa leitura!

O que aconteceu nos EUA com a expansão da Amazon?

Como a maioria das grandes empresas de sucesso, a Amazon começou como uma ideia simples e uma quantidade limitada de pessoas envolvidas — neste caso, apenas duas. Jeff Bezos e a sua esposa Mackenzie iniciaram o projeto da Amazon diretamente da sua garagem na cidade de Seattle, nos Estados Unidos.

Com a ideia inicial de vendas de livros online, o casal viu a sua marca atingir rapidamente os 50 estados americanos — como ainda eram os anos 90, o fato de as compras serem realizadas exclusivamente pelo mundo virtual ajudou a empresa a crescer extraordinariamente.

Com o sucesso avassalador, a Amazon logo passou a investir na venda de outros tipos de produtos até se tornar uma Market Place com itens de “A a Z”.

Focando no customer success, a marca logo se tornou referência no mundo logístico com serviços de entrega que alcançavam e até ultrapassavam as expectativas dos clientes.

É claro que isso trouxe consequências para as outras empresas, que viram a Amazon despontar e praticamente monopolizar as vendas online e os serviços de entrega. Os profissionais autônomos e os pequenos frotistas foram os que mais sofrerem com aquela nova realidade.

Além de não terem grandes capitais de giro, esses empreendedores não se preocupavam muito com questões além do cumprimento básico dos seus serviços. Tinha uma entrega ou coleta, eles iam lá e faziam. Simples assim — há pouco mais de 2 décadas, a preocupação com o sucesso do cliente era mínima. O resultado foi o fechamento ou a venda desses pequenos empreendimentos.

A Amazon, basicamente, revolucionou o setor logístico americano, e todos que não conseguiram se adaptar ao novo cenário se tornaram obsoletos.

Amazon está chegando ao Brasil

Sim, a verdade é que a Amazon já está no Brasil em diversas frentes. Vários produtos da empresa, como o serviço de streaming e o site de vendas, já estão em funcionamento no nosso país.

Porém, mesmo oferecendo o Market Place no Brasil, o diferencial logístico da marca ainda não está a nossa disposição. A maior parte das entregas é de responsabilidade de cada vendedor do site, com a Amazon apenas assumindo um papel de intermediário. Mas isso pode mudar em breve.

Segundo o site Bloomberg, a gigante americana está desenvolvendo um projeto para aplicar todo o seu potencial logístico aqui no Brasil. A ideia é utilizar a startup Cargo X para iniciar os serviços com o máximo de alcance possível.

Ainda segundo a fonte da Bloomberg, no primeiro momento, a Amazon focará no transporte de itens de alto valor, por exemplo, eletrônicos. O plano é utilizar até mesmo caminhões blindados para manter o alto nível de qualidade da empresa.

O que pode acontecer com os pequenos empreendedores?

Ainda que a notícia dada pela Bloomberg não se concretize de imediato, não há dúvidas que o grande potencial logístico do nosso país é um forte chamariz para a Amazon. Ou seja, é questão de tempo até que ela ofereça todo o seu potencial competitivo aos clientes brasileiros.

Diante dessa eminente possibilidade, é possível afirmar que, assim como aconteceu nos Estados Unidos, os profissionais que ainda não estiverem adaptados ao novo cenário logístico mundial correm grande risco de prejuízo em suas atividades.

Como em qualquer outro lugar do mundo, autônomos e pequenos frotistas não contam com um capital de giro para manter seus serviços em caso de forte concorrência.  Sem um preparo prévio ou uma mudança completa na execução dos seus serviços, eles tendem a ser os primeiros a serem “engolidos”.

Como se planejar e prevenir sua operação?

Se você não quer correr maiores riscos em um futuro próximo, o melhor caminho é iniciar um novo planejamento a partir de agora. É necessário executar uma análise para identificar os pontos fracos da sua operação e definir quais as melhores medidas a se tomar em cada situação.

Outra ação importante desse planejamento é entender o comportamento e as expectativas dos clientes em relação a sua empresa. O principal aprendizado que a Amazon trouxe para a logística mundial é que o setor deve se preocupar com a satisfação dos usuários antes de quaisquer outros fatores.

Em outras palavras, para se manter forte diante da alta concorrência, a sua operação deve sempre ser voltada para o sucesso do cliente.

Como aproveitar as oportunidades que surgirão com a implementação da metodologia Amazon na logística brasileira?

Com a Amazon chegando com a sua filosofia consolidada, as grandes transportadoras tendem a se mexer para não ficar para trás. Para você, autônomo ou pequeno frotista, é um bom momento para aproveitar as oportunidades que surgirão com as mudanças no mercado.

A melhor dica, sem dúvida alguma, é considerar as possibilidades de associação que algumas transportadoras brasileiras oferecem para profissionais autônomos. Ao aderir a essas parcerias, você passa a contar com um suporte completo para desenvolver os seus serviços com mais segurança e qualidade. As vantagens são inúmeras:

  • credibilidade da marca de uma grande transportadora;
  • recebimento mais rápido dos serviços realizados;
  • aumento mensal dos rendimentos.

Enfim, o sucesso logístico da Amazon só mostra que a evolução dos serviços oferecidos aos clientes é algo essencial. Se não fosse a empresa americana, outra marca estaria sendo a referência nesse momento. Nesse sentido, é fundamental se manter atualizado com as tendências e necessidades dos clientes, bem como, firmar parcerias com empresas que tornem o seu empreendimento ainda mais forte.

Continue navegando no nosso blog e entenda mais sobre a Lei da Balança.