logística crise do corona virus

Soluções Logísticas em tempos de Covid-19

O Coronavírus afetou o mundo como nunca antes na história, e a maior parte dos setores viu o seu volume de operações diminuir consideravelmente em um tempo muito curto. Para evitar ainda mais prejuízos, as empresas tiveram que se adaptar e desenvolver soluções logísticas que superassem as barreiras impostas pelo Covid-19.

Em razão de a pandemia ter começado na China, um dos maiores parceiros internacionais de muitos países, a logística mundial foi uma das primeiras a sofrer com entraves e suspensão de serviços.

As empresas que entenderam a gravidade da situação previamente e/ou já trabalhavam dentro um sistema de inovação normalmente, saíram na frente e começaram a se adaptar para a nova realidade com mais facilidade.

Mas, quais foram as soluções logísticas tomadas pelas empresas? Como elas estão se adaptando em tempos de Covid-19? Quer entender melhor? Continue lendo e saiba tudo nesta postagem.

Boa leitura!

Alta demanda do e-commerce e as medidas de adaptação logística

Diferente de outros problemas macroambientes relacionados à saúde que surgiram no mundo nos últimos tempos, o Coronavírus não se limitou a uma região ou continente. O novo vírus se tornou uma pandemia e impactou, em proporções diferentes, todas as nações do globo. O Covid-19 se mostrou tão potente que foi capaz de paralisar eventos e operações:

  • Jogos olímpicos;
  • transportes;
  • serviços.

Além disso, em razão do distanciamento social determinado pelos órgãos de saúde, a maior parte dos estabelecimentos tiveram que fechar e a pessoas precisaram iniciar uma quarentena em seus domicílios.

Foi neste cenário, com as lojas físicas fechadas e a recomendação de distanciamento vigorando na maior parte do mundo, que as vendas online dispararam de maneira excepcional. Aqui no Brasil, por exemplo, as vendas remotas crescerem mais de 40% entre os meses de março e abril – segundo a Revista Exame.

O crescimento do e-commerce, automaticamente, impulsionou os serviços logísticos dentro do país. Mas, para atender a alta demanda e ainda respeitar as recomendações sanitárias, as empresas tiveram que se adaptar. Confira alguns exemplos de medidas para essa adaptação.

Embalagens para maior proteção

Como o Coronavírus age em qualquer superfície, a preocupação com a contaminação por meio de objetos aumentou bastante. Para evitar a propagação durante a execução dos serviços, as empresas passaram a investir mais nas embalagens de proteção.

Ao invés da embalagem simples ou convencional, os itens começaram a receber outras camadas a fim de evitar que os colaboradores ou outras pessoas tenham contato direto com a mercadoria até que ela chegue ao cliente.

EPI’s para os motoristas e funcionários

A segurança dos profissionais dentro e fora das empresas também precisou ser reforçada no período de pandemia. Como ainda não há uma vacina contra o vírus, a melhor ação continua sendo evitar a interação social e o contato direto com superfícies.

Por isso, EPIs como máscaras, luvas e até roupas de proteção foram inclusas à cartilha dos motoristas e de outros funcionários. Sem falar no álcool em gel para higienizar as mãos, bem como, as cabines dos veículos.

Quais são as soluções logísticas utilizadas durante a pandemia?

Além das medidas de adaptação para manter os serviços durante a pandemia, várias empresas ao redor do mundo tiveram que criar soluções logísticas para realizar entregas pontuais.

Como em alguns lugares as empresas só poderiam funcionar após rigorosas inspeções e em outros até mesmo o trânsito de veículos ficara proibido, foi preciso inteligência, investimento e criatividade em novas soluções logísticas. Entenda mais.

Dupla checagem higiênica nos produtos e veículos

Uma das soluções logísticas implementadas nesse novo cenário diz respeito à qualidade do serviço, com a dupla checagem higiênica nos itens e nos veículos. Como o risco de contágio é real, as empresas precisaram mostrar que estão fazendo a sua parte.

Dessa forma, antes de saírem para suas viagens, os veículos são vistoriados mais de uma vez, garantindo que todos estão seguindo à risca os protocolos de vigilância sanitária.

Robôs e drones fazendo delivery

Logicamente, a tecnologia também foi utilizada para a criação de soluções logísticas durante o período de pandemia. Nos Estados Unidos, por exemplo, empresas do setor logístico estão utilizando drones para entregar remédios na casa de clientes idosos – que se enquadram nos grupos de risco.

Também há empresas utilizando robôs móveis para realizar delivery de fast food, garantindo a entrega até mesmo em locais com o chamado lockdown – proibição total da circulação de pessoas.

Importância da escolha da transportadora certa

É claro que ninguém estava devidamente preparado para essa pandemia, porém, como dito, as empresas que começaram a agir previamente conseguiram se adaptar rapidamente. Não só isso, as marcas que já trabalhavam com uma gestão inovadora com certeza tiveram menos dificuldades em manter os serviços em alta qualidade nessa nova realidade.

Por isso, mais do que nunca, a escolha pela transportadora certa passou a fazer toda a diferença para o seu negócio. Como apresentado na postagem, várias soluções logísticas precisaram e precisarão ser tomadas para garantir a segurança de funcionários, clientes e produtos. Ao contar com um parceiro que não trabalhe dentro desse padrão, você só está aumentando os riscos para o seu negócio.

Repense a sua cadeia logística e não tenha prejuízo com a escolha de transportadora errada. Planeje em longo prazo: ter que economizar não é justificativa para abdicar da qualidade.

Neste momento tão complexo, a RDR agradece aos seus clientes, embarcadores e parceiros que continuaram acreditando no trabalho da empresa e se mantiveram lado a lado em uma parceria vitoriosa e que continuará a render bons frutos para todos por muitos anos.

lgpd logística e setor de compras

Saiba por que a LGPD é importante e como a área de compras pode ajudar

Desde que a internet se popularizou, alcançando todos os continentes, a ideia de “terra sem lei” no mundo virtual, onde o uso indiscriminado de informações pessoais é permitido, acabou ganhando forças gradativamente. No intuito de conter essa visão distorcida, o governo brasileiro desenvolveu várias normas e leis, entre elas, a LGPD.

Embora abranja também a extração de dados em estabelecimentos físicos, a medida é um grande passo para que os usuários brasileiros consigam navegar na internet com segurança e tranquilidade em relação às suas informações.

Para que você consiga entender e possa se preparar adequadamente para a LGPD, a seguir, traremos um panorama geral sobre essa nova lei federal. Continue com a gente e confira.

Boa leitura!

O que é a LGPD?

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) é uma norma do governo que entrará em vigência a partir de agosto de 2020. A LGPD foi criada para trazer mais organização no uso de dados e maior segurança para clientes de estabelecimentos físicos e usuários da internet.

A partir do momento em que ela estiver em ação, toda empresa brasileira terá que seguir as suas diretrizes em relação à extração, compartilhamento e armazenamento de dados pessoais, por exemplo, dos usuários que navegam em seus sites.

Como se trata de uma Lei federal, a LGPD também afeta empresas estrangeiras que atuam no nosso país, mesmo que essas não tenham um escritório físico no Brasil.

Mas, quais são os dados pessoais que a LGPD trata? Segundo a nova lei, os dados pessoais são todas as informações que ajudam a identificar um indivíduo, não necessariamente números de documentos, por exemplo:

  • qualificação profissional;
  • características pessoais;
  • endereço residencial;
  • endereço de e-mail;
  • gostos pessoais.

Em relação às crianças e adolescente a LGPD é ainda mais enfática, afirmando que as empresas precisam do consentimento dos responsáveis para extrair quaisquer informações. O controlador deve utilizar os seus meios tecnológicos para confirmar o consentimento dos responsáveis.

Por que a LGPD é importante?

Como explicado na introdução, um dos grandes desafios dos governos pelo mundo é acabar com o conceito de “terra de ninguém” que muitos usuários têm em relação à internet. Embora aqui no Brasil já tenham ocorridos outras tentativas, a LGPD é a ação mais específica dentro desse objetivo.

Antes, não importava se você era um grande empresário ou apenas uma criança, os sites poderiam extrair e utilizar os seus dados indiscriminadamente. Não havia sequer uma indicação sobre o que estava acontecendo.

A LGPD traz à tona o seu direito de privacidade. Agora, qualquer marca fica impedida de extrair informações pessoais do usuário sem o seu consentimento, sendo obrigada a trabalhar com transparência total.

Mas a importância da nova lei não se restringe à segurança do usuário. Com mais organização e normas, empresas que estão investimento em estratégias digitais também são beneficiadas. Entre as principais vantagens da LGPD para o mundo profissional estão:

  • padronização de normas, garantido igualdade para todas as empresas;
  • fomentação do desenvolvimento econômico e tecnológico;
  • garantia de segurança jurídica;
  • favorecimento à concorrência.

No Brasil tem diferenças?

Por se tratar de uma lei federal, a LGPD se aplica igualmente em todo território nacional. Como explicado, embora um dos intuitos principais seja trazer maior organização para a internet, a lei abrange quaisquer empresas físicas no Brasil.

Mesmo empresas estrangeiras estão sujeitas à LGPD. Por exemplo, ainda que os dados tenham sido extraídos fora do país, o controlador deve obedecer às normas caso o tratamento das informações seja realizado em território nacional.

Além disso, caso o objetivo da extração seja uma oferta ou negociações dentro do Brasil, a LGPD também pode ser acionada.

Como o seu setor de compras pode ajudar?

Além de ser uma das áreas que mais trabalham com dados externos, o setor de compras também lida diretamente com fornecedores e parceiros que fazem uso de informações de terceiros. Isso aumenta a responsabilidade dos profissionais da área na adequação da empresa à LGPD.

Por exemplo, na hora de fechar com algum parceiro, seja fornecedor ou transportadora logística, o setor de Compras deve se certificar que este segue as normas de confidencialidade exigidas pela nova lei.

Ainda que a sua empresa não tenha participado da extração direta, ela também pode ser punida por fazer o uso. Por isso a avaliação sobre o parceiro é extremamente necessária. Além disso, o seu setor de Compras pode tomar outras ações para ajudar, tais como:

  • garantir que a cada reformulação interna, a LGPD seja sempre considerada;
  • trabalhar em parceria com o setor jurídico, garantindo adequação total;
  • reforçar o treinamento das equipes sobre as novas diretrizes.

Sem dúvida alguma, a LGPD traz uma nova realidade para as empresas em relação à extração e utilização de dados de clientes. Por isso, mais do que nunca, você deve prezar por parcerias com marcas que estão completamente adequadas às normas da LGPD, por exemplo, a RDR Soluções Logística, que oferece segurança, transparência e tranquilidade para os seus usuários e parceiros.

Gostou do artigo? Que tal agora entender mais sobre as vantagens do Outsourcing?

corona virus e logistica

Coronavírus e o seu impacto na logística

Podemos dizer que o novo Coronavírus é a versão atual de uma doença conhecida desde a década de 60. Chamado também de Covid-19 (síndrome aguda respiratória), o novo vírus ascendeu no ano passado (2019) na província chinesa de Wuhan.

Mas, o que parecia um problema de saúde local, já se transformou em uma preocupação global, tomando grandes proporções em pouco mais de 3 meses. As duas maiores economias mundiais foram afetadas diretamente (Estados Unidos e China), além de países importantes da Europa.

Com esse cenário pouco favorável é claro que vários setores da indústria foram impactados, principalmente a logística. O fluxo de operações diminuiu, e as empresas precisam ficar atentas sobre todos os fatores que envolvem o Coronavírus.

Para ajudar você a entender melhor tudo o que está acontecendo, preparamos este artigo com os pontos mais relevantes sobre o Coronavírus, além dos impactos na logística e no Brasil como um todo. Continue com a gente e confira. Boa leitura!

Como o Coronavírus impacta a logística mundial?

Antes mesmo de ser classificado como pandemia (disseminação mundial de uma nova doença) o novo Coronavírus já impactava diretamente a logística mundial. Afinal, tudo começou na China, a segunda maior economia do mundo e um dos principais importadores e exportadores da atualidade.

Quando ficou constatado que o governo chinês não era capaz de conter a epidemia, algumas medidas drásticas começaram a ser tomadas, entre elas, a diminuição da operação de navios de carga.

Com isso, diversas mercadorias que deveriam ser entregues em várias partes do mundo ficaram estagnadas em cargueiros do país oriental. A partir dessa situação, a logística mundial teve que se transformar.

Sem navios chegando aos portos, não há produtos ou matérias-primas para os caminhões coletarem e entregarem nas empresas. O resultado foi uma diminuição pontual na produção das indústrias e um aumento gradativo no preço dos produtos.

Porém, até o momento, o consumidor final não sente tanto os efeitos dessa mudança. Muitas empresas trabalham com o estoque cheio e podem manter uma regularidade durante esse período. Mas, caso a logística mundial se mostre pouco operante por muito tempo, o cenário mudará com certeza.

E no Brasil, como está a situação?

Mais de 120 países, nos 5 continentes, já relataram casos do novo Coronavírus. Infelizmente, o Brasil está incluso nessa lista. Além do alerta geral discutido no tópico anterior, o nosso país tem motivos maiores para se preocupar.

O primeiro ponto que se deve entender é que o mercado chinês é um dos maiores consumidores dos produtos brasileiros. Com as medidas tomadas pela China, há um risco de encalhe ou diminuição na venda de itens importantes para a nossa economia, tais como:

  • Minério de ferro;
  • Celulose;
  • Petróleo;
  • Carnes;
  • Soja.

Não obstante, além de ótima compradora, a China também está entre as nossas principais fornecedoras de insumos. Ou seja, uma crise no continente asiático reflete diretamente na nossa economia.

No entanto, ainda não estamos em estado de desespero. Não há como negar que alguns setores já sofrem as consequências por causa do novo vírus, mas ainda não há paralisações das atividades ou outras medidas drásticas que já ocorrem em países europeus.

Por enquanto, estamos em um momento de maiores cuidados e focados na prevenção. A indústria brasileira continua funcionando, e a mudança de quadro depende muito do empenho das pessoas em se prevenir e tomar as medidas certas.

Como se prevenir do novo Coronavírus?

Ainda não há uma vacina ou tratamento específico contra o coronavírus, o que faz da prevenção a melhor escolha para combatê-lo. A boa notícia é que se trata de medidas simples e dentro do alcance de todos. Confira as principais formas de se prevenir:

  • mantenha distância de pessoas que apresentem sintomas como coriza, tosse, e febre;
  • evite, momentaneamente, cumprimentos mais calorosos;
  • evite lugares com muita concentração de pessoas;
  • lave as mãos com água e sabão frequentemente;
  • cubra o rosto sempre que for espirrar ou tossir;
  • não utilize máscaras sem necessidade.

Para você que trabalha no setor logístico, aumente a frequência da lavagem das mãos e evite ao máximo coçar partes dos rostos como olhos, boca e nariz. Já para os motoristas, é essencial que se faça diariamente a higienização do painel do veículo e se evite a utilização de locais pouco conhecidos durante uma viagem.

Caso infectado, o que fazer?

Embora os sintomas do novo Coronavírus sejam parecidos com os de uma gripe normal –— febre, tosse, coriza, entre outros — apenas um teste específico pode apontar se a pessoa está infectada ou não.

Caso você apresente um desses sintomas ou manteve contato com pessoas que vieram de locais com o surto do vírus, é essencial procurar um atendimento especializado para se submeter ao teste de comprovação. A partir daí, os seus passos devem seguir impreterivelmente as recomendações médicas, inclusive o modo de quarentena — caso seja necessário.

Em suma, não há como negar que o novo Coronavírus já é um problema global. Porém, diferentemente de outros países, o nosso cenário ainda é favorável, com as medidas de prevenção sendo as melhores recomendações para a contenção da doença. O fato é que a rotina continua e o seu cliente ainda espera por serviços em excelência.

Para saber ainda mais sobre o novo Coronavírus, não deixe de acessar a página oficial do Ministério da Saúde.

dados na-nuvem logística

Dados empresariais na nuvem: É seguro?

Há pouco mais de uma década, se algum profissional sugerisse o armazenamento de dados empresariais na nuvem, provavelmente, receberia olhares de incredulidade ou até mesmo seria motivo de risadas — a ideia de cloud computing era praticamente algo de outro mundo.

Mas a situação ainda não mudou por completo. Por mais que a nossa realidade atual mostre o contrário, a verdade é que a utilização da “nuvem” é algo novo. A prova disso é o fato de que o armazenamento de dados importantes, como um orçamento empresarial, por exemplo, ainda deixa muitos empreendedores com “pé atrás”.

Mas, será que armazenar dados empresariais na nuvem realmente é uma boa ideia? O quão vantajoso é para o seu negócio? Para que você não fique mais com nenhuma dúvida, preparamos este artigo especial sobre o assunto. Continue com a gente e confira.

Boa leitura!

O que é o armazenamento em nuvem?

Para analisar a confiabilidade do armazenamento de dados empresariais na nuvem, primeiro é preciso entender como essa tecnologia funciona.

A nuvem nada mais é que um espaço grande ou ilimitado na internet utilizado para salvar diferentes tipos de documentos digitais. Se o acervo é digital, então pode ser armazenado na nuvem, por exemplo:

  • arquivos de leitura;
  • vídeos;
  • fotos.

Com isso, as empresas não precisam utilizar mais seus próprios equipamentos, como computadores e hardwares, para guardar informações e dados produzidos diariamente.

Tudo fica salvo em servidores que podem estar em qualquer lugar do planeta, sendo esse o principal diferencial da nuvem — não é porque a sua empresa está localizada no Brasil que o servidor da nuvem também estará endereçado no mesmo país. Essa vantagem é uma das grandes razões para que a tecnologia apresente alto índice de confiabilidade.

Por fim, para você que ainda está com dúvidas sobre o funcionamento da nuvem ou acredita se tratar de algo fora do alcance das pequenas empresas e de pessoas comuns, saiba que a utilização da tecnologia já é algo rotineiro para muita gente — ainda que algumas não se deem conta disso.

Vários programas e softwares convencionais utilizam a nuvem como suporte. O Drive e o Gmail, duas famosas soluções da Google, por exemplo, armazenam seus arquivos nesse formato de sistema. Assim como o Icloud, da Apple.

Então, se você utiliza alguns desses aplicativos — ou de muitos outros — saiba que já faz parte do grupo de usuários assíduos da nuvem. E assim também acontece com a maior parte das empresas.

Armazenar dados empresariais na nuvem é realmente seguro?

A nuvem é uma realidade, sendo utilizada nas mais diversas atividades do dia a dia. No entanto, será que esse sistema é realmente seguro para o armazenamento de dados empresariais?

Essa ainda é uma das grandes dúvidas de muitos empreendedores — e não é difícil de entender o motivo. Por anos, as organizações utilizaram seus próprios hardwares e servidores locais para armazenar dados vitais, como:

  • orçamento empresarial;
  • folha de pagamento;
  • despesas;
  • balanços;
  • receitas.

A ideia de mudança completa, salvando essas informações em um servidor externo — que pode se encontrar em qualquer parte do mundo — realmente é capaz de assustar. Mas o fato é que, em termos de segurança, o armazenamento na nuvem traz maior confiabilidade do que qualquer hardware.

Devido à complexidade para se descobrir a localização do sistema, o risco de ataques ou invasões de hackers é muita baixa. O mesmo não se pode dizer quando a sua empresa utiliza servidores locais, ficando vulnerável para ataques internos e externos.

Além da maior proteção contra invasores, um sistema em nuvem também diminui o risco de perda de dados quando há falhas no servidor. Isso porque, caso um servidor não responda, há outros para compensar o trabalho.

Então, seja o seu orçamento empresarial ou mesmo planos estratégicos de crescimento do negócio, no armazenamento em nuvem todos dados estarão sempre seguros.

Quais os outros benefícios do armazenamento dos dados empresariais na nuvem?

Além da segurança já explicada no tópico anterior, o armazenamento em nuvem traz outros benefícios para as empresas. Confira, abaixo, alguns deles.

Redução de custos

Armazenar dados empresariais na nuvem pode reduzir os seus custos de diferentes maneiras. Primeiramente, a sua empresa acaba com a necessidade de uma infraestrutura própria: a quantidade de hardwares, softwares e equipamentos diminui consideravelmente.

Além disso, você fica menos exposto a erros e invasões. Ou seja, retrabalhos, desperdícios ou novas criações deixam de ser uma constante no seu negócio, evitando assim os gastos que são inerentes a essas situações.

Acessibilidade

A acessibilidade aqui é clara, tendo em vista que os dados empresariais podem ser acessados a qualquer hora e de qualquer lugar. Se no passado esse processo ficava restrito a escritórios e centrais da empresa, com essa tecnologia o panorama muda por completo.

A melhor parte é que nem há necessidade de treinamento ou especificações mais detalhadas. Hoje em dia, grande parte da população já acessa a internet facilmente de seus smartphones, tablets etc.

Produtividade

Se há maior acessibilidade, naturalmente há maior produtividade. Com todos os departamentos conseguindo acessar diferentes informações sobre estratégias e planejamentos da empresa, as equipes de trabalho não precisam ficar presas a protocolos ou burocracias.

Até mesmo os profissionais que estão em home-office ou em trabalhos externos podem desenvolver suas funções sem precisar se deslocar até a empresa. Da logística ao departamento financeiro: a produtividade de todos é impulsionada a partir do sistema.

Não é à toa que cada vez mais empresas adotam tecnologias compatíveis com o armazenamento em nuvem. Dados empresarias, como orçamento anual ou estratégias de compra e venda, são muito importantes e devem receber todo cuidado necessário. Mas é essencial contar com a participação de empresas especializadas em TI a fim de garantir o sucesso nessa nova toada tecnológica da sua empresa. Não fique para trás.

Gostou do artigo? Que tal agora entender como o Marketing e os dados podem transformar o seu negócio?

mercadoria perdida dicas

Mercadoria Perdida: qual é o real impacto para o cliente e para a sua marca?

Imprevistos podem acontecer a qualquer hora e em qualquer lugar. E dentro de operações logísticas não é diferente. No entanto, não há como negar que uma mercadoria perdida ou uma entrega em atraso podem fazer a sua empresa perder credibilidade com o seu cliente.

Por mais que o comprador saiba que contratempos existem, a verdade é que ele deseja receber o seu produto dentro do prazo combinado. Então, cabe a você trabalhar para garantir que os imprevistos impactem o mínimo possível a experiência do cliente.

Mas, quais os impactos reais de uma mercadoria perdida? E como reduzir essa negativa? Continue lendo e entenda mais sobre esses questionamentos. Boa leitura!

Quais impactos uma situação de mercadoria perdida pode trazer para a sua marca?

Uma experiência de compra só pode ser considerada completa quando o cliente passa por todas as etapas com sucesso — isso inclui a entrega da mercadoria e o pós-venda. Caso algum estágio não corresponda à expectativa, o serviço oferecido não se torna completo.

Quando qualquer contratempo acontece, como uma mercadoria perdida, por exemplo, a empresa acaba sofrendo consequências negativas. Quer saber quais? Confira alguns logo abaixo.

Perda de credibilidade

A primeira e óbvia consequência é a perda de credibilidade junto ao seu cliente. Como explicado, por mais que o comprador saiba sobre a possibilidade de imprevistos, uma mercadoria perdida é algo extremamente frustrante.

Ainda que não abandone a sua marca de vez, ele tende a se mostrar mais receoso em fazer novos negócios dentro de um curto espaço de tempo.

Reclamações formais

No Brasil, o Código de Proteção e Defesa do Consumidor respalda o comprador a acionar formalmente a empresa fornecedora de um produto ou serviço.

Ou seja, caso o cliente se sinta lesado em razão da mercadoria perdida, a sua empresa corre o risco de sofrer ações judiciais. E, independentemente do resultado, a sua marca sai arranhada quando esse tipo de situação acontece.

Diminuição de lucros

Se você perde a confiança do seu cliente e espaço no mercado, consequentemente, passa a vender menos. Em pouco tempo, os seus lucros caem e a sua empresa corre o risco de entrar em estado de alerta financeiro — uma “bola de neve iniciada” com uma mercadoria perdida.

Como ter um bom controle de cargas e garantir uma experiência completa para o cliente?

As consequências para uma mercadoria perdida são ruins para o cliente e para a sua empresa. Isso é um fato. Nesse sentido, a melhor forma de evitar um cenário negativo para o seu negócio é garantir um bom controle da sua carga e diminuir as chances de perdas e atrasos.

Conheça algumas dicas para ser bem-sucedido nesse objetivo.

Invista em tecnologia especializada

Se o risco de imprevistos é inerente a qualquer negócio, cabe a você trabalhar em alternativas que diminuam as probabilidades de isso acontecer. Uma ótima opção é o investimento em tecnologia especializada.

Com ferramentas modernas e pontuais, você garante acompanhamento da carga em várias etapas da cadeia de suprimentos, por exemplo:

As chances de perda de mercadoria diminuem consideravelmente. E caso isso aconteça, é possível agir com muito mais agilidade e eficiência, evitando prejuízos que impactem diretamente o seu cliente.

Utilize as embalagens adequadas para o transporte

Pode parecer algo óbvio, mas muitos imprevistos acontecem porque as empresas não se preocupam com a embalagem dos produtos para o envio.

Ainda que a embalagem não influencie diretamente para a perda da mercadoria, ela tem relação direta com avarias e danos indesejáveis nos produtos. No fim das contas, uma mercadoria perdida ou avariada é a mesma coisa para o cliente — ambas são frustrantes.

Por isso essa escolha deve ser feito sem negligência. Não vale a pena economizar. Invista em embalagens com qualidade e que sejam adequadas para acomodar corretamente os produtos, garantindo a integridade durante todo o trajeto de distribuição.

Trabalhe com parceiros eficientes

Para o cliente, o importante é que o produto chegue intacto e dentro do prazo. Sempre que isso não acontece, é a sua empresa que perde a credibilidade e o respaldo — não importa se o erro foi cometido por uma parceira terceirizada. Em outras palavras, para o consumidor, a marca que vende o produto é a mesma que entrega.

Então, se a transportadora é uma “extensão” da sua empresa, você deve se certificar que o padrão de qualidade seja o mesmo em todos os níveis. Para isso, forme parcerias com transportadoras com conhecimento de mercado e que apresentem um bom histórico de competência.

Uma transportadora com know-how no setor de entregas pode ser o ponto de mudança para o seu negócio, trazendo um novo desempenho e oferecendo ótimos diferenciais para o seu cliente, como rastreamento de carga e atualização de roteiro.

Enfim, a verdade é que não há nada mais desgastante para um cliente do que comprar um produto e não receber. Uma mercadoria perdida ou avariada é tudo o que ele não espera de uma empresa. Diante disso, cabe a sua marca investir em tecnologia e em parcerias eficientes para garantir uma experiência completa ao consumidor. Analise as dicas apresentadas e não perca espaço no mercado.

Gostou do artigo? Que tal agora entender mais como o pós-venda pode ajudar na retenção de clientes da sua empresa?

manutenção de frota

Manutenção Preventiva em Caminhões: Entenda a Importância

Para cumprir prazos e alcançar todos os objetivos planejados, uma empresa precisa contar com caminhões seguros e de alta performance. E para garantir pleno funcionamento desses equipamentos, é essencial trabalhar com a Manutenção Preventiva.

O fato é que análises e intervenções programadas fazem parte de um conjunto de medidas recomendadas por toda fabricante de caminhões. Por isso, empresas que dependem diariamente dessas ferramentas, não devem ser negligentes nesse sentido, a fim de prolongar a vida útil dos veículos e aumentar a segurança de seus funcionários.

Mas, o que é realmente a Manutenção Preventiva? Quais os benefícios? E o que pode acontecer se a sua empresa não implementá-la? Para responder essas e outras perguntas, confira o nosso artigo completo sobre o assunto.

Boa leitura!

O que é a Manutenção Preventiva?

De maneira simples, manutenção consiste em uma estratégia de monitoramento e controle para impedir ou reduzir o impacto de falhas nos equipamentos. O objetivo principal é aumentar a confiabilidade e estender a vida útil dos veículos.

Em geral, há 3 tipos de manutenção: Manutenção Corretiva, Manutenção Preditiva e Manutenção Preventiva.

Manutenção Corretiva

Dos três métodos, a Manutenção Corretiva, sem dúvida, é a mais onerosa para uma empresa. Ela só é posta em prática quando alguma peça ou sistema do caminhão deixa de funcionar, não tendo um planejamento definido para análises.

Gasta-se mais com peças e intervenções emergenciais e todas ações são reativas. Em geral, a empresa consegue consertar o veículo, mas sempre investindo valores maiores nas peças e correndo o risco de ter o caminhão parado por um bom tempo.

Manutenção Preditiva

A Manutenção Preditiva é o modelo “mais novo” nesse cenário. É um pouco parecida com a Preventiva, com a diferença de que são utilizadas ferramentas de alta tecnologia para estudar e avaliar os sistemas dos caminhões.

Além disso, aqui, a maior parte das análises é feita pelos próprios trabalhadores que utilizam os veículos — com tudo ocorrendo quase que rotineiramente.

No entanto, em razão da compra dos aparelhos de análise e da necessidade de treinamento dos profissionais, a Manutenção Preditiva se torna bastante custosa para a maioria das empresas.

Manutenção Preventiva

Podemos dizer que a Manutenção Preventiva é mais eficiente que a Corretiva, e menos onerosa que a Preditiva. Nessa metodologia, é criado um cronograma para que as avaliações e as intervenções sejam realizadas nos caminhões.

Normalmente, o planejamento é feito baseado nas informações e instruções repassadas pelos fabricantes dos veículos, bem como, pelo histórico dos equipamentos. Mas isso não é uma regra, dependendo do espaço de tempo ou de alguma eventualidade, a manutenção pode ser realizada em datas fora do cronograma.

Na maior parte das empresas, a Manutenção Preventiva é a mais utilizada para garantir o funcionamento dos veículos.

Quais os benefícios de se trabalhar com a Manutenção Preventiva?

Como vimos, a Manutenção Preventiva consiste em um trabalho de prevenção e estudo sobre a performance dos caminhões de uma empresa. Mas, quais são os benefícios reais?

Garantia de serviço contínuo

Com a Manutenção Preventiva você corre baixíssimo risco de ter o serviço paralisado por falta de caminhão. Como as intervenções são feitas periodicamente, todos os equipamentos tendem a se manter seguros e em pleno funcionamento.

Redução de custos

Os custos aqui também são moderados, pois há possibilidade de planejamento de compra. Por exemplo, é possível saber se na próxima intervenção será necessário a troca de uma determinada peça. Com isso, a sua empresa pode pesquisar e adquirir o item de maneira antecipada e com maior economia.

Alta performance dos caminhões

Trabalhando continuamente com peças novas e com a manutenção em dia, os veículos tendem a apresentar alta performance durante os serviços da empresa. Isso não só traz mais segurança para os colaboradores, como também mais credibilidade e lucro para o negócio.

Quais os riscos de não se aplicar a Manutenção Preventiva?

Como explicado na introdução, a Manutenção Preventiva não é algo que possa ser negligenciado, sendo altamente recomendada pelos fabricantes dos caminhões. Ao não implementá-la, uma empresa corre grandes riscos. Entenda mais.

Atraso nas coletas e entregas

Para atingir as suas metas, a sua empresa precisa realizar todas as coletas e entregas dentro do prazo. Mas, sem o devido cuidado com as peças e sistemas dos caminhões, é um equilíbrio quase impossível de ser alcançado.

É claro que, com constantes atrasos e cancelamentos, a sua empresa, gradativamente, perderá espaço, credibilidade e competitividade no mercado.

Aumento do risco de acidentes

Quem não se planeja, aumenta os seus riscos. Isso é um fato. Ao não manter as avaliações e intervenções dos caminhões em dia, você maximiza as chances de acidentes com os veículos — tanto dentro quanto fora da empresa.

Como se trata de equipamentos grandes e imensamente pesados, as consequências de uma falha simples podem ser irreversíveis. Será que vale a pena correr o risco?

Sem dúvida, a Manutenção Preventiva é um ponto que não pode ser negligenciado por nenhuma empresa logística. Todavia, se você deseja economizar ainda mais e, ao mesmo tempo, garantir serviços de alto padrão, é interessante contar com transportadoras como a RDR Soluções Logísticas, que contam com frota própria e apresentam um controle rigoroso e eficiente nos seus veículos. Assim, você une economia, segurança e alta performance.

Acesse e conheça os serviços diferenciados da RDR Soluções Logísticas.

5 dicas de segurança logística para a sua empresa

Trabalhar em planejamentos e alternativas para reforçar a segurança logística é essencial para qualquer empresa. Afinal, acidentes de trabalhos nunca são fatores positivos – e podem até mesmo causar a paralisação das atividades.

O gestor precisa identificar os diferentes riscos do fluxo logístico e desenvolver formas de eliminá-los ou, pelo menos, amenizar as consequências. Quanto mais seguro o ambiente, melhor a produtividade dos colaboradores.

Para ajudar você nessa empreitada, preparamos este artigo com 5 ótimas dicas de como reforçar a segurança logística na empresa. Continue com a gente e boa leitura!

1. Estabeleça protocolos de segurança logística

O primeiro passo para aumentar a segurança logística é criar protocolos padrões para todos os envolvidos na área, incluindo funcionários, fornecedores, empresas terceirizadas, entre outros. Com procedimentos pré-definidos, diminuem consideravelmente as chances de acidentes e outras adversidades.

Devem existir protocolos direcionados para vários setores, como recebimento, armazenamento, distribuição etc. Por exemplo: os veículos que chegam à empresa devem andar no limite de 20 km/h, só encostarem à prancha para descarregar quando solicitados e os baús precisam estar sempre lacrados.

Ao criar procedimentos rigorosos, a sua empresa não só aumenta a segurança do local como também educa funcionários e parceiros, que passam a ver as medidas protetivas como ações naturais do dia a dia.

Para otimizar os resultados, mantenha os protocolos sempre visíveis em locais estratégicos, por exemplo:

  • portão de entrada;
  • área de cargas;
  • refeitórios.

2. Reforce a importância do uso dos EPIs

O uso dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) é uma obrigatoriedade legal. Toda empresa deve fornecer e orientar os seus funcionários a utilizá-los, do contrário, corre-se o risco de severas punições. Entre os principais EPIs do setor logístico, estão:

  • botas com biqueira de aço;
  • protetores auriculares;
  • capacetes;
  • óculos;
  • luvas.

Porém, é fundamental que o trabalho de conscientização vá além das questões legais. Uma organização que se preocupa com seus profissionais e deseja garantir máxima segurança logística precisa reforçar a mensagem sobre a importância dos EPIs. A obrigatoriedade do uso deve ser algo inegociável.

Lembra-se dos protocolos de segurança? A mensagem também precisa fazer parte dos procedimentos. Afinal, é comum alguns funcionários reclamarem do incômodo de alguns equipamentos. Um trabalho ostensivo é uma ótima estratégia para reverter esse tipo de visão.

Não obstante, vale a pena realizar investimentos em palestras com especialistas da área de segurança do trabalho a fim de explicar os riscos da não utilização dos EPIs.

3. Adquira equipamentos de fornecedores confiáveis

Os equipamentos utilizados na logística da sua empresa também podem ser um risco para a segurança dos colaboradores. Toda instituição deve se certificar sobre a procedência e a qualidade das ferramentas adquiridas.

Por mais que os protocolos de segurança sejam seguidos, um equipamento de má qualidade ou sem o certificado do Inmetro pode ser o fator inicial de um grande incidente. Para evitar algo negativo, é necessário analisar o histórico dos fornecedores dos equipamentos, tanto em questão da durabilidade e qualidade quanto de segurança das peças.

Além da procedência do maquinário, o gestor precisar ficar atento à questão da manutenção. Na indústria, há três tipos principais de manutenção:

  • preventiva;
  • corretiva;
  • preditiva.

Empilhadeiras, paleteiras e os próprios veículos necessitam de manutenções constantes. O ideal é considerar as instruções do fabricante para definir qual tipo de intervenção é a mais recomendada para cada equipamento.

4. Priorize rotas mais seguras para os veículos

O planejamento de segurança logística deve incluir também os processos externos, como, por exemplo, as rotas de viagens dos veículos. Um trabalho analítico, com um estudo sobre as vias mais perigosas, é essencial para a segurança da mercadoria e dos motoristas.

O Brasil atualmente é um dos países líderes em roubo de cargas. Os números crescem a cada ano e, infelizmente, não há uma perspectiva de grande melhora em curto período. Com esse cenário posto, as empresas precisam tomar suas próprias providências.

Além das questões de segurança pública, a má condição das estradas é outro fator de preocupação para os gestores. Apesar de o modal rodoviário ser o principal do país, a malha viária nacional ainda é bastante precária.

As duas situações são de macroambientes e não dependem do trabalho das empresas para serem revertidas. Por isso, é importante investir em tecnologias e estudos analíticos para escolher as melhores rotas e acompanhar os veículos durante todo o trajeto.

5. Conte com parceiras que trabalham com ótimos padrões de segurança

Não adianta investir em equipamentos de qualidade ou criar bons planejamentos para a sua organização se as empresas parceiras não seguirem padrões de segurança parecidos. Afinal, uma simples manobra equivocada de um caminhão terceirizado pode causar um grande estrago dentro do seu armazém ou galpão.

Na hora de fechar parcerias, analise sempre o custo-benefício. Pesquise sobre a experiência e certificações da empresa no quesito segurança do trabalho.

Enfim, medidas de segurança logística são sempre importantes para qualquer empresa. Por mais que algumas ações sejam fatores obrigatórios, é essencial que a própria instituição desenvolva seus planejamentos logísticos e crie medidas para reforçar a segurança geral, como adquirir equipamentos e tecnologias inteligentes e contar com a participação de empresas de alto padrão.