diferença entra supply chain e logistica

Supply Chain e Logística: Conheça as diferenças

Embora em outros países haja um entendimento correto sobre os conceitos e as aplicações desses processos, aqui no Brasil ainda há certa confusão quando se fala de logística e supply chain, com alguns profissionais misturando os dois conceitos.

Para alguns, isso pode até parecer apenas um detalhe. Mas, a verdade é que, ao não entender corretamente os conceitos, você pode tomar decisões equivocadas e comprometer a eficiência e os resultados de uma operação. Sem falar nos custos que tais erros podem acarretar.

Mas então, quais os conceitos de logística e de supply chain? E quais as diferenças entre eles? Para acabar com qualquer dúvida, confira o nosso artigo completo sobre o assunto.

Boa leitura!

Qual o conceito de supply chain?

Supply Chain (ou Cadeia de Suprimentos, em tradução livre) é focada no ciclo de vida completo de uma mercadoria, desde a aquisição de matéria-prima, passando pela produção, até a distribuição final ao consumidor.

Na sua operação, o supply chain engloba diversos players, por exemplo:

  • consumidores;
  • distribuidores;
  • fornecedores;
  • fabricantes;
  • varejistas.

O principal objetivo da cadeia de suprimentos é garantir que o ciclo produtivo aconteça de maneira eficiente e ao menor custo possível, interligando processos, agentes e planos.

Qual o conceito de logística?

A logística, por sua vez, é o processo de planejamento e execução de movimentação de uma mercadoria, garantindo o deslocamento do ponto de origem até o ponto de entrega com máxima eficiência e dentro dos prazos estabelecidos.

Na logística, etapas como armazenamento e transporte são essenciais e detalhadamente estudadas a fim de assegurar o sucesso operacional e atender os critérios estabelecidos pelo cliente.

Como envolve muitos processos práticos, que demandam equipamentos e grande mão de obra, é comum que muitas empresas varejistas e fabricantes optem pela terceirização da logística, deixando o processo para transportadoras que se especializam na prestação do serviço.

Quais as diferenças entre logística e supply chain?

A definição dos conceitos é uma forma inicial para entender a diferença entre as modalidades de negócio, mas é necessário se aprofundar um pouco mais para acabar de vez com as dúvidas.

De maneira direta, as diferenças entre logística e supply chain se concentram em dois pontos: Execução e Relacionamento. Vamos entender.

Estudo x Execução

Como explicado, a cadeia de suprimentos abrange a supervisão de toda vida produtiva de uma mercadoria. Esse trabalho exige um esforço muito mais teórico, focado em estudo e extração de informações a fim de criar planejamentos que assegurem o nivelamento de toda a cadeia. É preciso que o gestor apresente uma visão holística.

Por sua vez, a logística é muito mais prática. O trabalho é focado na execução do planejamento criado, garantindo que a movimentação da mercadoria aconteça como o esperado.

No entanto, isso não significa que a parte logística aja de maneira aleatória, sem nenhum tipo de estudo ou plano. Muito pelo contrário. O cerne da logística é justamente um planejamento prévio e uma prática bem sucedida.

Relacionamento intraempresarial x Relacionamento interempresarial

Outro ponto de diferença que fica claro quando estudamos os dois conceitos é o tipo de relacionamento demandado por cada metodologia.

A cadeia de suprimentos envolve inúmeros players externos dentro da sua supervisão, exigindo um relacionamento inter empresarial, ou seja, com outras empresas. Assim, em um curto espaço de tempo o gestor de supply chain precisa se relacionar com muitas outras instituições.

Com a logística a abrangência não é tão grande. O gestor logístico trabalha mais com a integração de equipes internas, tanto do seu próprio setor quanto de outros departamentos como Financeiro e Compras. Assim, o relacionamento é muito mais intraempresarial (dentro da empresa).

Mas, é sempre importante deixar claro que há também relacionamentos com players externos, como distribuidores e fornecedores.

Como as duas modalidades se integram?

Existem sim diferenças entre logística e supply chain, mas a verdade é que as duas se integram o tempo todo. O trabalho de uma impacta diretamente no planejamento da outra, em uma relação complementar.

Por exemplo, a cadeia de suprimentos planeja etapas que são executadas diretamente pela logística, como o armazenamento e o transporte. E mesmo quando a logística é terceirizada, a supervisão do supply chain facilita o sincronismo operacional.

Enfim, com processos de distribuição e gerenciamento de equipes bem realizados pela logística e o controle de ciclo desenvolvido pela supply chain, a tendência é que a sua empresa alcance resultados cada vez mais positivos e entregue serviços que atendam por completo as expectativas dos clientes.

Entendeu agora a diferença entre logística e supply chain? Continue no nosso blog e confira agora a importância da integração para o setor de compras da sua empresa.

o que é supply chain logística

Setor de Compras 4.0: como novas tecnologias vão impactar nos processos.

Estamos vivendo a quarta revolução industrial, em que o uso de tecnologias e máquinas se tornou essencial para o atendimento das novas necessidades dos usuários. Vários setores estão se movimentando para se adequar a realidade, por exemplo, o Setor de Compras 4.0.

Não há mais como ignorar a inovação e as novas demandas do público atual. A mudança na postura das empresas, nos conceitos de gestão e nas rotinas de trabalho é algo inerente a essa transformação digital.

Para não correr riscos, é importante entender os novos conceitos e adaptar corretamente a sua empresa. Confira o nosso panorama sobre o Setor de Compras 4.0 e comece transformando um departamento de suma importância para qualquer negócio.

Boa leitura!

 

O que é o Setor de Compras 4.0?

Como explicado, a quarta revolução industrial impactou o mundo corporativo como um todo. Para se adaptar as novas transformações, os setores tiveram que abraçar tecnologias e desenvolver soluções inteligentes para o dia a dia das empresas.

O Setor de Compras 4.0 é, basicamente, a resposta da área de aquisição de materiais a essa realidade. É o desenvolvimento do trabalho para transformar a execução e a análise de fluxos de dados dentro das organizações.

Nesse modelo de gestão, são implementadas ferramentas tecnológicas em diferentes estágios do processo de compras de uma empresa, gerando benefícios como aumento de produtividade e redução de custos – que seriam mais difíceis em rotinas “manuais”. Entre as ferramentas adotadas no processo 4.0, destacamos:

  • Inteligência artificial (IA);
  • Cloud computing;
  • Big Data.

Como esse novo cenário tecnológico muda o setor de compras na prática?

Assim como na própria revolução industrial, o modelo 4.0 não se limita à implementação de novas tecnologias no dia a dia do setor. Mais importante que a adoção de ferramentas aleatórias, é mudança no estilo de gestão.

A gestão 4.0 prima pela inteligência e pela participação coletiva. Como acontece na logística 4.0, o novo Setor de Compras é aquele que deixa de ser apenas um departamento isolado para se tornar um alicerce estratégico para o negócio.

Na prática, há um direcionamento para que a área de aquisição de suprimentos assuma um papel de protagonista e impulsione outros departamentos da empresa.

Outro impacto prático que o novo conceito de trabalho traz para o setor de compras diz respeito à capacitação de pessoal. Com a mudança de mentalidade e a introdução de novas tecnologias, os profissionais precisam estar preparados para potencializar o uso das ferramentas e gerar os resultados esperados.

Não há mais como protelar o desenvolvimento. Com a automatização, diversas atividades manuais serão extintas e as equipes de trabalho deverão acompanhar a evolução do setor. De outra forma, tanto os profissionais quanto as empresas correm o risco de se tornarem obsoletos.

O que as empresas já estão fazendo hoje?

Hoje, muitas empresas já estão implementando soluções e desenvolvendo suas gestões de trabalho no setor de compras.

É possível ver isso com o considerável crescimento na aquisição de ERPs por empresas brasileiras. Esses softwares de gestão permitem que o controle de variados processos seja feito de maneira centralizada, além de facilitarem o compartilhamento de informações.

A automatização dos processos é outro fator real no dia a dia das empresas. Se no passado as anotações em blocos de papel eram comuns em um setor de compras, hoje, a ação está praticamente extinta. A comunicação é outro ponto impactado, tanto internamente quanto externamente.

Confira no próximo tópico como se dá a relação entre empresa e parceiros no Setor de Compras 4.0.

Qual o impacto nos relacionamentos?

O setor de compras é um dos que mais se relacionam com agentes externos, principalmente com fornecedores e transportadoras. Na filosofia 4.0, há uma melhor comunicação entre todos os participantes da cadeia de suprimentos, tornando tudo mais dinâmico e transparente.

Aqui, a via de mão única é trocada pela ação conjunta, com fornecedores e transportadoras sendo alimentados com informações pertinentes sobre o estoque da empresa, prazos de entrega etc., criando uma relação muito mais colaborativa e permissiva.

Outro ponto de mudança está na própria escolha dos parceiros. Com a empresa trabalhando de maneira mais automatizada e com uma gestão inovadora, a definição desses agentes precisa considerar novos critérios.

Afinal, não adianta investir em tecnologias e treinamento de pessoal se os parceiros continuarem desenvolvendo serviços ultrapassados e que não condizem com a atual demanda do mercado.

Por que investir no Setor de Compras 4.0?

Se você ainda tem dúvidas sobre a importância da implementação do Setor de Compras 4.0, conheça algumas ótimas vantagens que esse novo conceito pode trazer para a sua empresa.

Melhor controle de estoque

Como vimos, no modelo 4.0 há um compartilhamento inteligente de informações, incluindo os níveis de estoque. Com essa integração, o controle de estoque se torna muito mais eficiente, impedindo abarrotamento ou rupturas de produtos.

Mais agilidade e segurança

Com a automatização e a utilização correta de dados, o setor de compras tende a se tornar mais ágil na execução diária. Ao mesmo tempo, a segurança das informações aumenta em razão da adoção de ferramentas como Big Data e Blockchain. Ou seja, há uma maior dinamização e cuidado na criação e no fluxo de documentos como:

  • ordem de compras;
  • recebimentos;
  • contratos.

Aumento de lucros

O aumento de lucros é uma consequência direta aos outros benefícios inerentes ao conceito 4.0. Com mais agilidade, segurança, eficiência e uma menor taxa de erros, a empresa tende a controlar seus níveis de estoque e trazer um ótimo custo-benefício em suas transações.

Não há como ignorar a inovação no setor de compras. O modelo 4.0 já é uma realidade e as empresas precisam entendê-lo para se adaptar corretamente. A análise sobre os principais pontos desse estilo de gestão é fundamental para que você adicione os fatores que mais se adéquam ao seu negócio e as necessidades dos seus clientes. Prime também por parceiros que desenvolvem serviços dentro dessa nova realidade do mercado.

Gostou do artigo? Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Deixe a sua opinião nos comentários.