Evolução da logística

Hoje, com os clientes realizando compras e recebendo as mercadorias diretamente em suas residências, já entendemos que um trabalho inteligente e de qualidade da logística faz toda diferença nos resultados finais de uma empresa.

Porém, no passado, a logística já foi vista como uma atividade de segundo plano, e habilidades como negociação, comunicação e visão estratégica não eram consideradas tão essenciais para um gestor.

Por isso, para que você saiba como se deu essa evolução e como a multidisciplinaridade e a estratégia se tornaram tão essenciais na gestão logística atual, preparamos este artigo com a história dos ciclos logísticos.

Fique com a gente e conheça também quais conhecimentos são necessários para implementar uma gestão eficiente na logística da sua empresa. Boa leitura!

Como aconteceu a evolução da logística?

A palavra logística vem do termo grego “logistikos”, que significa cálculo e raciocínio. Já a origem da atividade logística é um pouco mais debatida. Alguns historiadores acreditam que os próprios militares gregos, que eram chamados de “logistikas”, foram os primeiros a trabalhar a distribuição de suprimentos de forma organizada.

Já outros especialistas, consideram o estudo do teórico Barão Antoine Henri Jomini como o pontapé inicial dos processos. Durante as guerras, Jomini acompanhou as táticas dos soldados franceses para a movimentação de tropas e suprimentos. Até mesmo a origem da palavra é mudada nessa versão, com o verbo “loger” (alojar ou acolher) sendo a primeira versão da palavra “logistique”.

De toda forma, a ideia de logística trabalhada nos dois casos era bastante resumida. Os conceitos que conhecemos hoje só começaram a ser utilizados depois da Segunda Guerra Mundial, com as empresas entendendo a atividade com uma filosofia mais administrativa.

Mas a evolução ainda demorou. Pois, embora a logística já fosse aplicada em muitas empresas, o foco era sempre a entrega de mercadorias em menor tempo, sem a preocupação com a qualidade do serviço ou a opinião dos clientes.

Isso se devia muito ao fato de a atividade ser implementada apenas para a movimentação de grandes cargas. O transporte em si era muito caro, então o objetivo principal era sempre levar a mercadoria do ponto A até o ponto B.

A precariedade nos processos ajudava a entender essa realidade. A maior parte das inovações tecnológicas era aplicada nos meios de produção, deixando atividades como movimentação e armazenagem sendo desenvolvidas manualmente. Com isso, os lucros obtidos eram consideráveis, mas a ineficiência em algumas etapas era alta também.

Novas necessidades

A cada ciclo de revolução industrial, novas necessidades e exigências surgiam para a logística das empresas. Os clientes, que antes eram completamente passivos, começaram a entender a importância de sua participação para o mercado.

Além disso, muitas empresas mudaram o seu foco, não se limitando apenas a comprar e distribuir, mas também negociar vendas. Assim, a logística começou a ser integrada a outros setores, como o marketing, por exemplo.

Mas foi com o fortalecimento da terceira evolução industrial que tudo mudou de fato. Nessa fase, os conhecimentos e inovações gerados eram aplicados diretamente no desenvolvimento industrial. A tecnologia estava inserida de vez na produção.

Novas atividades foram criadas e outras etapas aprimoradas. A ideia era fortalecer o valor do produto final, aquele que pararia nas prateleiras para ser consumido pelos clientes.

Com isso, a logística também precisou evoluir. Conceitos e práticas foram desenvolvidos para que o setor suportasse o aumento produtivo e cumprisse os prazos esperados. Mas os preços praticados ainda eram altos, pois não existia um processo de monitoramento completo por parte da gestão logística, deixando muitas etapas vulneráveis.

Essa realidade mostrou que a melhoria dos serviços passava muito pela profissionalização dos gerentes do setor. Quanto mais capacitado o profissional, maior qualidade seria aplicada e menos recursos seriam desperdiçados.

Foi então que o Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos (Supply Chain Management) passou a ser visto como uma estratégia importante para as empresas. Muitas operações manuais foram substituídas pela automatização enquanto o achismo e a intuição deram lugar à inteligência e ao planejamento.

Com a quarta revolução industrial, surge a logística 4.0. Um conceito de trabalho que acompanha a nova realidade do mercado, que torna os processos logísticos parte de uma grande estratégia de atração e relacionamento com cliente, abraçando de vez a tecnologia com o objetivo de otimização.

Além disso, na logística 4.0, os gestores deixam de ser chefes que apenas repassam ordens para se tornar profissionais gabaritados – com conhecimentos em outras áreas e capacidade para integrar o setor logístico a outros departamentos da empresa, garantindo maior eficácia e agilidade em processos essenciais.

Quais conhecimentos são essenciais para um gestor logístico moderno?

Agora que você já entendeu como se deu a evolução da logística, saiba quais outros conhecimentos são primordiais para um gestor ser bem-sucedido na logística moderna.

Visão estratégica

Como vimos, a exigência pela qualidade e eficácia aumentou muito com o decorrer dos anos. Para se adaptar a esse cenário, um gestor logístico precisa ser inovador e demonstrar expertise a fim de superar dificuldades e apresentar saídas vantajosas para a empresa, assegurando qualidade e menores custos operacionais.

Ter visão estratégica é justamente demonstrar capacidade de focar em melhorias em qualquer etapa da operação, trazendo metodologias que otimizem a logística corporativa.

Marketing

No passado, a logística era muito prejudicada, pois não era considerada em vários planejamentos da empresa. A maior parte dos empresários não via a necessidade de integrar a atividade em planos de marketing e relacionamento, por exemplo.

Mas hoje tudo mudou. Graças à internet e à globalização, novas demandas surgiram e o setor logístico é visto com peça principal dentro de várias estratégias. É por isso que um gestor precisa sair do lugar comum e apresentar noções básicas de marketing, discutindo ideias e opiniões, melhorando os seus processos e da empresa como um todo.

Finanças

Não há mais espaço para achismos ou intuições na logística atual. O mercado trabalha dentro de uma política de redução de gastos e aprimoramento da qualidade dos serviços. O gestor atual precisa ter real noção sobre os custos de suas decisões.

Por isso, o conhecimento em finanças é extremamente necessário para um profissional que deseja se destacar. Tendo a preparação correta, ele consegue melhorar os processos do setor sem colocar em risco a saúde financeira da empresa. Além disso, ele consegue tomar direcionamentos corretos sobre fatores primordiais para a redução de custos, como:

  • automatização;
  • terceirização;
  • treinamento.

Planejamento

Planejamento é o segredo do sucesso de muitas empresas. Por meio dessa tática é possível alcançar a gestão eficiente. Ao se planejar, o gestor consegue não apenas organizar todas as etapas de trabalho, como também lidar, de maneira precisa, com desafios e dificuldades diários.

Em resumo, com novos desafios surgindo a cada dia, a logística precisa estar em constante evolução. Logicamente, isso só é possível quando os gestores e profissionais envolvidos entendem a necessidade de maior conhecimento e preparação, trabalhando a atividade como algo multidisciplinar e estratégico. Com isso, eles garantem processos mais eficientes, de maior qualidade e com menos desperdício dos recursos.

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *