amazon no brasil transporte pequenos frotistas

Amazon no Brasil, qual é o impacto para autônomos e pequenos frotistas

Criada em julho de 1994, pelo americano Jeff Bezos, a Amazon passou de um simples e-commerce de livros e revistas para uma das poucas marcas a ultrapassar 1 trilhão de dólares de valor de mercado.

Agora, como referência mundial do setor logístico, a mega corporação está chegando ao Brasil para investir alto no segmento de entregas. E se tratando da Amazon, com certeza isso trará muitas consequências.

Para entender melhor o que está por vir, a seguir, explicaremos as transformações que a Amazon provocou nos Estados Unidos e como ela pode impactar autônomos e pequenos frotistas aqui no Brasil.

Boa leitura!

O que aconteceu nos EUA com a expansão da Amazon?

Como a maioria das grandes empresas de sucesso, a Amazon começou como uma ideia simples e uma quantidade limitada de pessoas envolvidas — neste caso, apenas duas. Jeff Bezos e a sua esposa Mackenzie iniciaram o projeto da Amazon diretamente da sua garagem na cidade de Seattle, nos Estados Unidos.

Com a ideia inicial de vendas de livros online, o casal viu a sua marca atingir rapidamente os 50 estados americanos — como ainda eram os anos 90, o fato de as compras serem realizadas exclusivamente pelo mundo virtual ajudou a empresa a crescer extraordinariamente.

Com o sucesso avassalador, a Amazon logo passou a investir na venda de outros tipos de produtos até se tornar uma Market Place com itens de “A a Z”.

Focando no customer success, a marca logo se tornou referência no mundo logístico com serviços de entrega que alcançavam e até ultrapassavam as expectativas dos clientes.

É claro que isso trouxe consequências para as outras empresas, que viram a Amazon despontar e praticamente monopolizar as vendas online e os serviços de entrega. Os profissionais autônomos e os pequenos frotistas foram os que mais sofrerem com aquela nova realidade.

Além de não terem grandes capitais de giro, esses empreendedores não se preocupavam muito com questões além do cumprimento básico dos seus serviços. Tinha uma entrega ou coleta, eles iam lá e faziam. Simples assim — há pouco mais de 2 décadas, a preocupação com o sucesso do cliente era mínima. O resultado foi o fechamento ou a venda desses pequenos empreendimentos.

A Amazon, basicamente, revolucionou o setor logístico americano, e todos que não conseguiram se adaptar ao novo cenário se tornaram obsoletos.

Amazon está chegando ao Brasil

Sim, a verdade é que a Amazon já está no Brasil em diversas frentes. Vários produtos da empresa, como o serviço de streaming e o site de vendas, já estão em funcionamento no nosso país.

Porém, mesmo oferecendo o Market Place no Brasil, o diferencial logístico da marca ainda não está a nossa disposição. A maior parte das entregas é de responsabilidade de cada vendedor do site, com a Amazon apenas assumindo um papel de intermediário. Mas isso pode mudar em breve.

Segundo o site Bloomberg, a gigante americana está desenvolvendo um projeto para aplicar todo o seu potencial logístico aqui no Brasil. A ideia é utilizar a startup Cargo X para iniciar os serviços com o máximo de alcance possível.

Ainda segundo a fonte da Bloomberg, no primeiro momento, a Amazon focará no transporte de itens de alto valor, por exemplo, eletrônicos. O plano é utilizar até mesmo caminhões blindados para manter o alto nível de qualidade da empresa.

O que pode acontecer com os pequenos empreendedores?

Ainda que a notícia dada pela Bloomberg não se concretize de imediato, não há dúvidas que o grande potencial logístico do nosso país é um forte chamariz para a Amazon. Ou seja, é questão de tempo até que ela ofereça todo o seu potencial competitivo aos clientes brasileiros.

Diante dessa eminente possibilidade, é possível afirmar que, assim como aconteceu nos Estados Unidos, os profissionais que ainda não estiverem adaptados ao novo cenário logístico mundial correm grande risco de prejuízo em suas atividades.

Como em qualquer outro lugar do mundo, autônomos e pequenos frotistas não contam com um capital de giro para manter seus serviços em caso de forte concorrência.  Sem um preparo prévio ou uma mudança completa na execução dos seus serviços, eles tendem a ser os primeiros a serem “engolidos”.

Como se planejar e prevenir sua operação?

Se você não quer correr maiores riscos em um futuro próximo, o melhor caminho é iniciar um novo planejamento a partir de agora. É necessário executar uma análise para identificar os pontos fracos da sua operação e definir quais as melhores medidas a se tomar em cada situação.

Outra ação importante desse planejamento é entender o comportamento e as expectativas dos clientes em relação a sua empresa. O principal aprendizado que a Amazon trouxe para a logística mundial é que o setor deve se preocupar com a satisfação dos usuários antes de quaisquer outros fatores.

Em outras palavras, para se manter forte diante da alta concorrência, a sua operação deve sempre ser voltada para o sucesso do cliente.

Como aproveitar as oportunidades que surgirão com a implementação da metodologia Amazon na logística brasileira?

Com a Amazon chegando com a sua filosofia consolidada, as grandes transportadoras tendem a se mexer para não ficar para trás. Para você, autônomo ou pequeno frotista, é um bom momento para aproveitar as oportunidades que surgirão com as mudanças no mercado.

A melhor dica, sem dúvida alguma, é considerar as possibilidades de associação que algumas transportadoras brasileiras oferecem para profissionais autônomos. Ao aderir a essas parcerias, você passa a contar com um suporte completo para desenvolver os seus serviços com mais segurança e qualidade. As vantagens são inúmeras:

  • credibilidade da marca de uma grande transportadora;
  • recebimento mais rápido dos serviços realizados;
  • aumento mensal dos rendimentos.

Enfim, o sucesso logístico da Amazon só mostra que a evolução dos serviços oferecidos aos clientes é algo essencial. Se não fosse a empresa americana, outra marca estaria sendo a referência nesse momento. Nesse sentido, é fundamental se manter atualizado com as tendências e necessidades dos clientes, bem como, firmar parcerias com empresas que tornem o seu empreendimento ainda mais forte.

Continue navegando no nosso blog e entenda mais sobre a Lei da Balança.

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *