caminhões elétricos na logística

Carros elétricos na logística para diminuir emissão de CO2

Recentemente a montadora Volvo anunciou o lançamento de carros elétricos e outros veículos para os setores da construção civil e transporte de cargas. Uma iniciativa vista como mais uma vitória na luta para a diminuição do CO2 na atmosfera.

A verdade é que embora o tema do aquecimento global não seja recente, ainda há pouca movimentação por parte das empresas para ajudar nessa causa. Por isso quando uma grande marca do setor de transportes age positivamente, vale a pena ser comemorado.

Mas, você sabe qual é a participação do setor logístico na luta contra o aquecimento global? E qual o impacto real dos carros elétricos nesse cenário? Para saber mais, continue lendo e confira a postagem que preparamos sobre o assunto.

Boa leitura!

Qual o papel da logística na luta contra a emissão do CO2?

Um estudo feito pela COP (Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas) mostrou que quase 15% de toda emissão de gases na atmosfera do planeta é feita pelo setor de transporte – esse número corresponde ao período anual.

Isso significa que o trabalho diário feito por empresas e caminhoneiros afeta diretamente o clima do nosso planeta, acelerando as consequências do aquecimento global. Ou seja, resumidamente: a logística tem um papel importantíssimo na luta contra a emissão do CO2. Aqui na RDR acompanhamos de perto as médias dos veículos, afinal quanto maior a média, menor é o gasto e a emissão de gases que impactam no meio ambiente.

Mas, é claro que ninguém lança gases nocivos na atmosfera de forma deliberada – bom, pelo menos é o que esperamos. A emissão de CO2 é proveniente da queima de combustíveis fósseis e, infelizmente, ainda não é possível parar de utilizar esse recurso. Mas então, o que fazer?

A logística no mundo não pode simplesmente parar suas atividades – os efeitos seriam tão aterrorizadores quando os do aquecimento global. Isso é um fato. Então, empresas e profissionais do setor devem adotar prática que diminuam a taxa de emissão de gases nocivos.

Uma das primeiras e mais impactantes ações é o desenvolvimento de produtos mais sustentáveis e menos prejudiciais ao meio ambiente, como é o caso dos carros elétricos citados na introdução – falaremos mais deles no próximo tópico.

Porém, há outras medidas mais simples e dentro do alcance de qualquer empresa que também ajudam a diminuir esse cenário mais preocupante. Um bom exemplo é a otimização de trajeto dos veículos. Vamos entender.

Otimização de rotas

Como explicado, a principal “contribuição” da logística para o aumento do efeito estufa diz respeito aos gases provenientes da queima de combustível. Ou seja, se os veículos rodarem menos, essa queima automaticamente será menor.

Para que isso seja possível sem causar prejuízos produtivos ou financeiros para as empresas, é preciso criar rotas que agilizem a movimentação dos veículos e reduzam a utilização deles mensalmente.

É importante também que haja um trabalho bem sincronizado e de excelência na separação e embalagem das mercadorias, garantindo que os produtos cheguem em perfeito estado às mãos dos clientes e evitando que os veículos voltem ao asfalto para realizar trocas e coletas.

A importância dos carros elétricos

Falando de maneira prática, os carros elétricos e outros veículos do mesmo modelo são a alternativa perfeita para que a logística contribua de maneira considerável na luta contra a emissão do Co2. Uma frota de carros elétricos é o que podemos chamar de uma logística verde perfeita.

Além de não emitirem gases provenientes da queima de combustíveis, esses veículos apresentam um arsenal tecnológico interessante para a área logística, contando com ferramentas que facilitam o trajeto, trazendo maior segurança para o motorista, além de melhorar a dirigibilidade do veículopor exemplo:

  • apps de comunicação;
  • câmeras;
  • GPS.

É claro que não se trata de uma iniciativa simples, mas também não é uma mudança futurista ou fora da realidade. É só pegarmos o exemplo da Volvo e da Tesla, que já fabricam e vendem carros elétricos com essas características.

Para a logística, essas empresas já oferecem caminhões e vans com capacidade de quase 1 tonelada e com autonomia para mais de 500 quilômetros. Se ainda não podem ser utilizados para grandes viagens, se mostram veículos perfeitos para rodar em zonas urbanas ou em cidades próximas umas das outras.

Enfim, a batalha contra a emissão de gases nocivos na atmosfera deve ser coletiva, afinal as consequências afetarão a todos em algum momento. Por isso a criação de carros elétricos deve ser comemorada sim.

Para empresários e investidores do setor logístico, o primeiro passo é investir em medidas mais sustentáveis, que tornem a rotina diária menos impactante ao meio ambiente. Além disso, é importante formar parcerias com transportadoras e fornecedores que investem na logística verde e estão alinhadas as nossas necessidades atuais.

Gostou do artigo? Continue no nosso blog e entenda como a inteligência artificial é importante para a otimização de rotas dos caminhões.

Escreva um comentário